Aperto no investimento público é mais forte agora do que há um ano

Défice do primeiro semestre baixou 13%, para 2,6 mil milhões. Receita cresceu 2,5%, o dobro do ritmo da despesa (1,3%).

A execução do investimento público continua altamente controlada e bastante longe de atingir os objetivos do Orçamento do Estado (OE 2018). No final do primeiro semestre de 2017, tinham sido executadas 36% das verbas previstas e o Ministério das Finanças conseguiu acabar o ano com uma poupança de 830 milhões de euros na rubrica do investimento face ao planeado, o que ajudou a conter o défice.

Este ano, mostra a execução orçamental até junho, ontem divulgada pela Direção-Geral do Orçamento (tutela das Finanças), vai pelo mesmo caminho. Apesar de o investimento ter subido ligeiramente em termos homólogos (3,7%), foram libertadas apenas 34% das verbas previstas no OE. Abaixo dos 36% do ano passado, portanto.

Resultado dessa forte contenção, o crescimento verificado na primeira metade deste ano é muito inferior ao que está autorizado no OE (22%) e fica ainda mais abaixo do que deveria ser a expansão real. Com base nos dados definitivos da Conta Geral do Estado de 2017, neste ano o investimento teria de subir 32% para cumprir o que está no Orçamento.

Défice controlado

O andamento vagaroso do investimento ajuda a conter a despesa e o défice. Segundo os mesmos dados das Finanças, o défice global do setor público no primeiro semestre baixou 13%, para 2,6 mil milhões de euros. A receita cresceu 2,5%, o dobro do ritmo da despesa (1,3%).

A contenção no investimento tem sido uma constante nos últimos anos, o que tem motivado críticas crescentes dos partidos da esquerda (BE e CDU) que apoiam o governo do PS no Parlamento. Saúde, educação e transportes públicos têm sido algumas das áreas em que a contestação é maior.

Em dois anos, poupanças de 1,8 mil milhões no investimento

Segundo cálculos do Dinheiro Vivo, com recurso aos Orçamentos do Estado e às CGE dos últimos quatro anos, em 2015 a poupança face ao que fora orçamentado foi de 436 milhões. Em 2016, mais do que duplicou (ficou 952 milhões de euros abaixo); e em 2017, como referido, ficaram 830 milhões de euros por executar.

Portanto, o atual governo (exercício de 2016 e 2017) investiu menos 1,8 mil milhões de euros face ao que lhe tinha sido autorizado pelo Parlamento (diferença entre o valor final na CGE e o do OE).

CFP e UTAO confirmam

Esta questão da baixa execução no investimento foi já confirmada por várias entidades que seguem as contas públicas nacionais.

Numa análise aos primeiros cinco meses do ano publicada no início do mês, a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) notou que, "na despesa efetiva, destaca-se o baixo grau de execução do investimento, das transferências correntes e de capital e das outras despesas correntes".

Os técnicos que apoiam o Parlamento nas contas públicas referem que "o grau de execução das despesas de capital situou-se em 25,5%, sendo 7,6 pontos percentuais (p.p.) inferior ao observado no período homólogo".

E que, "excluindo a despesa com concessões [estradas, essencialmente], o grau de execução do investimento foi de 18,7%, sendo 9,5 p.p. abaixo do observado no mesmo período do ano anterior, o que representa uma descida de 0,8% até maio de 2018". Isto "contrasta" com o objetivo do OE 2018, que prevê uma expansão de "49,4% para o conjunto do ano".

O Conselho das Finanças Públicas, que fez uma análise ao Orçamento em contas nacionais para o primeiro trimestre, nota que "a formação bruta de capital fixo (FBCF) atingiu 666 milhões de euros, valor que reflete um aumento homólogo (9,8%) muito inferior ao que está implícito no Programa de Estabilidade 2018 para o conjunto do ano (34,2%)".

"Ainda que habitualmente este tipo de despesa acelere no final do ano, o grau de execução da FBCF do conjunto das administrações públicas foi de apenas 14,5% no 1.º trimestre de 2018" e aquele aumento de 9,8% "foi sobretudo justificado pela administração local".

Em 2015, o investimento público previsto no OE era de 4,8 mil milhões de euros, mas só foram aplicados 4,4 mil milhões; em 2016, estavam autorizados 4,9 mil milhões de euros, mas só foram gastos 3,9 mil milhões; em 2017, o Orçamento previa cinco mil milhões de euros, mas só se investiu 4,2 mil milhões.

Neste ano, o OE tem como meta 5,5 mil milhões de euros de investimento público.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)