Adolescentes também estão preocupados com o tempo que passam em frente aos ecrãs

Os pais não são os únicos preocupados com quanto tempo os adolescentes passam nos telefones e gadgets tecnológicos, refere um novo relatório da Pew Research.

Os adolescentes não estão assim tão alheados das preocupações no que toca ao uso de tecnologia: mais de metade (54%) acha que o tempo que passa a utilizar smartphones é excessivo, diz o relatório. Há também diferenças de género: as raparigas inquiridas tendem a pensar que gastam muito tempo nas redes sociais; já os rapazes acreditam que gastam demasiado tempo com jogos de vídeo.

O relatório agora conhecido retira os resultados de dois questionários feitos em março, nos Estados Unidos: uma inquiriu 750 adolescentes de 13 a 17 anos e a outra foi feita a mais de mil pais.

Leia também | Storyball, o brinquedo inteligente que quer afastar as crianças dos ecrãs

Os resultados indicam que alguns comportamentos fora do ideal estão a desenvolver-se no que diz respeito ao uso de smartphones - dispositivo que é utilizado por 95% dos adolescentes hoje em dia.

Quase 45% dos adolescentes dizem que costumam verificar se têm notificações nos smartphones assim que acordam. Mais de 30% dos adolescentes dizem que às vezes se distraem durante as aulas, porque acabam por estar a dar atenção aos telefones. Além disso, quase metade das raparigas (49%) dessa idade dizem sentir-se ansiosas se não tiverem o smartphone consigo.

Leia também | Esta app só vai deixar os miúdos usarem o smartphone se se mexerem

Mas nem tudo é assustador neste estudo, já que também revelou alguma autoconsciência por parte dos adolescentes - alguns deles referem ter até 'cortado' no tempo de uso dos smartphones. Há 17% dos adolescentes inquiridos que referem sentir-se felizes e aliviados quando não têm os telefones consigo.

Nas perguntas feitas, a percentagem de jovens que refere passar demasiado pouco tempo com smartphones, redes sociais e jogos é bastante reduzida.

Do lado dos pais, quase dois terços dizem estar preocupados com o tempo que os filhos passam à frente do ecrã. Tanto que mais de metade dos pais optou por colocar limites à utilização de tecnologia.

Leia também | Acha que passa demasiado tempo no Facebook e Instagram? Agora vai saber

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.