Adolescentes também estão preocupados com o tempo que passam em frente aos ecrãs

Os pais não são os únicos preocupados com quanto tempo os adolescentes passam nos telefones e gadgets tecnológicos, refere um novo relatório da Pew Research.

Os adolescentes não estão assim tão alheados das preocupações no que toca ao uso de tecnologia: mais de metade (54%) acha que o tempo que passa a utilizar smartphones é excessivo, diz o relatório. Há também diferenças de género: as raparigas inquiridas tendem a pensar que gastam muito tempo nas redes sociais; já os rapazes acreditam que gastam demasiado tempo com jogos de vídeo.

O relatório agora conhecido retira os resultados de dois questionários feitos em março, nos Estados Unidos: uma inquiriu 750 adolescentes de 13 a 17 anos e a outra foi feita a mais de mil pais.

Leia também | Storyball, o brinquedo inteligente que quer afastar as crianças dos ecrãs

Os resultados indicam que alguns comportamentos fora do ideal estão a desenvolver-se no que diz respeito ao uso de smartphones - dispositivo que é utilizado por 95% dos adolescentes hoje em dia.

Quase 45% dos adolescentes dizem que costumam verificar se têm notificações nos smartphones assim que acordam. Mais de 30% dos adolescentes dizem que às vezes se distraem durante as aulas, porque acabam por estar a dar atenção aos telefones. Além disso, quase metade das raparigas (49%) dessa idade dizem sentir-se ansiosas se não tiverem o smartphone consigo.

Leia também | Esta app só vai deixar os miúdos usarem o smartphone se se mexerem

Mas nem tudo é assustador neste estudo, já que também revelou alguma autoconsciência por parte dos adolescentes - alguns deles referem ter até 'cortado' no tempo de uso dos smartphones. Há 17% dos adolescentes inquiridos que referem sentir-se felizes e aliviados quando não têm os telefones consigo.

Nas perguntas feitas, a percentagem de jovens que refere passar demasiado pouco tempo com smartphones, redes sociais e jogos é bastante reduzida.

Do lado dos pais, quase dois terços dizem estar preocupados com o tempo que os filhos passam à frente do ecrã. Tanto que mais de metade dos pais optou por colocar limites à utilização de tecnologia.

Leia também | Acha que passa demasiado tempo no Facebook e Instagram? Agora vai saber

Ler mais

Exclusivos