A Guerra da Coreia na ordem do dia. E a beleza feminina também

A 27 de agosto de 1950 o conflito entre o norte e o sul da península coreana entrava no terceiro mês do que viriam a ser três anos sangrentos. A primeira página do DN desse dia dedicava-lhe três artigos, todos com destaque. Mas também houve espaço para falar da eleição da Miss Portugal.

Um artigo de opinião sobre a guerra e o seu impacto nas eleições intercalares americanas, assinado pelo ex-primeiro-ministro francês (condenado em França à revelia por colaboracionismo com a ocupação nazi) Camille Chautemps, foi o primeiro de três artigos com destaque que o Diário de Notícia dedicou à Guerra da Coreia na sua primeira página deste dia do ano de 1950.

Tinha então o conflito acabado de entrar no seu terceiro mês (iniciou-se a 25 de junho desse ano) e considerou então o DN que era o momento para dedicar boa parte da sua edição ao assunto.

Além do referido texto - que deixa perceber como, então como agora, as tensões entre os partidos democrata (do, na altura, presidente Truman) e republicano (na oposição) extremam posições em ano eleitoral - mais duas notícias chamam à leitura:

- Em "As origens da luta entre coreanos" podia ler-se que "o motivo do conflito da Coreia não foi revelado em todos os pormenores", prosseguindo o autor a resumir os acontecimentos políticos dos 60 dias anteriores;

- Em "A Rússia enviou importantes quantidades de material de guerra para a Coreia do Norte - afirmam os prisioneiros de guerra comunistas", desmentia-se o representante soviético no Conselho de Segurança da ONU, que garantira que não existia material militar novo à disposição dos norte-coreanos.

Apesar da importância destes assuntos internacionais, são as notícias domésticas que ocupam as zona central da primeira página. Destaque para dois assuntos.

Em cima, a tomada de posse do Ministro do Exército, Abranches Pinto. "No Palácio de Belém realizou-se ontem perante o Chefe do Estado a cerimónia do compromisso de honra seguido da posse do ministro do Exército sr. Brigadeiro Abranches Pinto. Este ilustre oficial chegou ali pelas 15:30 acompanhado pelo sr. Presidente do Conselho que o apresentou ao Supremo Magistrado da Nação", pode ler-se na notícia, bem ao estilo da época.

Imediatamente abaixo desta notícia, no entanto, o assunto era bem diferente. "Chega hoje a Lisboa", lê-se no título, "a embaixada francesa de alta costura que toma parte na festa do Pavilhão dos Desportos para eleição de 'Miss Portugal'".

Aqui se dá conta de que "o júri procedeu ontem à segunda eliminatória das concorrentes", que aconteceu "a hora adiantada da noite" e "nos salões do nosso jornal".

É que, será de recordar, o concurso de beleza era uma iniciativa DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Que a clubite não mate a história empolgante de um hacker

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Ferreira Fernandes

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.