A Guerra da Coreia na ordem do dia. E a beleza feminina também

A 27 de agosto de 1950 o conflito entre o norte e o sul da península coreana entrava no terceiro mês do que viriam a ser três anos sangrentos. A primeira página do DN desse dia dedicava-lhe três artigos, todos com destaque. Mas também houve espaço para falar da eleição da Miss Portugal.

Um artigo de opinião sobre a guerra e o seu impacto nas eleições intercalares americanas, assinado pelo ex-primeiro-ministro francês (condenado em França à revelia por colaboracionismo com a ocupação nazi) Camille Chautemps, foi o primeiro de três artigos com destaque que o Diário de Notícia dedicou à Guerra da Coreia na sua primeira página deste dia do ano de 1950.

Tinha então o conflito acabado de entrar no seu terceiro mês (iniciou-se a 25 de junho desse ano) e considerou então o DN que era o momento para dedicar boa parte da sua edição ao assunto.

Além do referido texto - que deixa perceber como, então como agora, as tensões entre os partidos democrata (do, na altura, presidente Truman) e republicano (na oposição) extremam posições em ano eleitoral - mais duas notícias chamam à leitura:

- Em "As origens da luta entre coreanos" podia ler-se que "o motivo do conflito da Coreia não foi revelado em todos os pormenores", prosseguindo o autor a resumir os acontecimentos políticos dos 60 dias anteriores;

- Em "A Rússia enviou importantes quantidades de material de guerra para a Coreia do Norte - afirmam os prisioneiros de guerra comunistas", desmentia-se o representante soviético no Conselho de Segurança da ONU, que garantira que não existia material militar novo à disposição dos norte-coreanos.

Apesar da importância destes assuntos internacionais, são as notícias domésticas que ocupam as zona central da primeira página. Destaque para dois assuntos.

Em cima, a tomada de posse do Ministro do Exército, Abranches Pinto. "No Palácio de Belém realizou-se ontem perante o Chefe do Estado a cerimónia do compromisso de honra seguido da posse do ministro do Exército sr. Brigadeiro Abranches Pinto. Este ilustre oficial chegou ali pelas 15:30 acompanhado pelo sr. Presidente do Conselho que o apresentou ao Supremo Magistrado da Nação", pode ler-se na notícia, bem ao estilo da época.

Imediatamente abaixo desta notícia, no entanto, o assunto era bem diferente. "Chega hoje a Lisboa", lê-se no título, "a embaixada francesa de alta costura que toma parte na festa do Pavilhão dos Desportos para eleição de 'Miss Portugal'".

Aqui se dá conta de que "o júri procedeu ontem à segunda eliminatória das concorrentes", que aconteceu "a hora adiantada da noite" e "nos salões do nosso jornal".

É que, será de recordar, o concurso de beleza era uma iniciativa DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.