A Guerra da Coreia na ordem do dia. E a beleza feminina também

A 27 de agosto de 1950 o conflito entre o norte e o sul da península coreana entrava no terceiro mês do que viriam a ser três anos sangrentos. A primeira página do DN desse dia dedicava-lhe três artigos, todos com destaque. Mas também houve espaço para falar da eleição da Miss Portugal.

Um artigo de opinião sobre a guerra e o seu impacto nas eleições intercalares americanas, assinado pelo ex-primeiro-ministro francês (condenado em França à revelia por colaboracionismo com a ocupação nazi) Camille Chautemps, foi o primeiro de três artigos com destaque que o Diário de Notícia dedicou à Guerra da Coreia na sua primeira página deste dia do ano de 1950.

Tinha então o conflito acabado de entrar no seu terceiro mês (iniciou-se a 25 de junho desse ano) e considerou então o DN que era o momento para dedicar boa parte da sua edição ao assunto.

Além do referido texto - que deixa perceber como, então como agora, as tensões entre os partidos democrata (do, na altura, presidente Truman) e republicano (na oposição) extremam posições em ano eleitoral - mais duas notícias chamam à leitura:

- Em "As origens da luta entre coreanos" podia ler-se que "o motivo do conflito da Coreia não foi revelado em todos os pormenores", prosseguindo o autor a resumir os acontecimentos políticos dos 60 dias anteriores;

- Em "A Rússia enviou importantes quantidades de material de guerra para a Coreia do Norte - afirmam os prisioneiros de guerra comunistas", desmentia-se o representante soviético no Conselho de Segurança da ONU, que garantira que não existia material militar novo à disposição dos norte-coreanos.

Apesar da importância destes assuntos internacionais, são as notícias domésticas que ocupam as zona central da primeira página. Destaque para dois assuntos.

Em cima, a tomada de posse do Ministro do Exército, Abranches Pinto. "No Palácio de Belém realizou-se ontem perante o Chefe do Estado a cerimónia do compromisso de honra seguido da posse do ministro do Exército sr. Brigadeiro Abranches Pinto. Este ilustre oficial chegou ali pelas 15:30 acompanhado pelo sr. Presidente do Conselho que o apresentou ao Supremo Magistrado da Nação", pode ler-se na notícia, bem ao estilo da época.

Imediatamente abaixo desta notícia, no entanto, o assunto era bem diferente. "Chega hoje a Lisboa", lê-se no título, "a embaixada francesa de alta costura que toma parte na festa do Pavilhão dos Desportos para eleição de 'Miss Portugal'".

Aqui se dá conta de que "o júri procedeu ontem à segunda eliminatória das concorrentes", que aconteceu "a hora adiantada da noite" e "nos salões do nosso jornal".

É que, será de recordar, o concurso de beleza era uma iniciativa DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.