A Guerra da Coreia na ordem do dia. E a beleza feminina também

A 27 de agosto de 1950 o conflito entre o norte e o sul da península coreana entrava no terceiro mês do que viriam a ser três anos sangrentos. A primeira página do DN desse dia dedicava-lhe três artigos, todos com destaque. Mas também houve espaço para falar da eleição da Miss Portugal.

Um artigo de opinião sobre a guerra e o seu impacto nas eleições intercalares americanas, assinado pelo ex-primeiro-ministro francês (condenado em França à revelia por colaboracionismo com a ocupação nazi) Camille Chautemps, foi o primeiro de três artigos com destaque que o Diário de Notícia dedicou à Guerra da Coreia na sua primeira página deste dia do ano de 1950.

Tinha então o conflito acabado de entrar no seu terceiro mês (iniciou-se a 25 de junho desse ano) e considerou então o DN que era o momento para dedicar boa parte da sua edição ao assunto.

Além do referido texto - que deixa perceber como, então como agora, as tensões entre os partidos democrata (do, na altura, presidente Truman) e republicano (na oposição) extremam posições em ano eleitoral - mais duas notícias chamam à leitura:

- Em "As origens da luta entre coreanos" podia ler-se que "o motivo do conflito da Coreia não foi revelado em todos os pormenores", prosseguindo o autor a resumir os acontecimentos políticos dos 60 dias anteriores;

- Em "A Rússia enviou importantes quantidades de material de guerra para a Coreia do Norte - afirmam os prisioneiros de guerra comunistas", desmentia-se o representante soviético no Conselho de Segurança da ONU, que garantira que não existia material militar novo à disposição dos norte-coreanos.

Apesar da importância destes assuntos internacionais, são as notícias domésticas que ocupam as zona central da primeira página. Destaque para dois assuntos.

Em cima, a tomada de posse do Ministro do Exército, Abranches Pinto. "No Palácio de Belém realizou-se ontem perante o Chefe do Estado a cerimónia do compromisso de honra seguido da posse do ministro do Exército sr. Brigadeiro Abranches Pinto. Este ilustre oficial chegou ali pelas 15:30 acompanhado pelo sr. Presidente do Conselho que o apresentou ao Supremo Magistrado da Nação", pode ler-se na notícia, bem ao estilo da época.

Imediatamente abaixo desta notícia, no entanto, o assunto era bem diferente. "Chega hoje a Lisboa", lê-se no título, "a embaixada francesa de alta costura que toma parte na festa do Pavilhão dos Desportos para eleição de 'Miss Portugal'".

Aqui se dá conta de que "o júri procedeu ontem à segunda eliminatória das concorrentes", que aconteceu "a hora adiantada da noite" e "nos salões do nosso jornal".

É que, será de recordar, o concurso de beleza era uma iniciativa DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.