Premium A crise do PCP

O Partido Comunista, sendo um partido antissistema, ajudou a nossa democracia liberal a consolidar-se e a manter-se. Institucionalizou o protesto.

O Partido Comunista Português tem uma implantação profunda na nossa comunidade. Tem uma forte presença autárquica, domina o movimento sindical e tem um eleitorado estável. Melo Antunes tinha razão quando, logo depois do 25 de Novembro de 1975, e numa altura em que algumas vozes levantavam a hipótese da ilegalização do partido, afirmou que o PCP era imprescindível para a nossa democracia. Talvez as razões para o ter dito não fossem as que mais tarde se verificaram, mas, seja como for, estava certo.

No entanto, o PCP não acredita na democracia liberal e tem como objetivo derrubá-la para implementar outro regime. É assim um partido assumidamente antissistema.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.