Premium Tancos. Denúncia desvalorizada, "lista" ignorada e uma mão-cheia de quase nada

Duas semanas de audições na comissão de inquérito a Tancos, com chefes e ex-chefes máximos das secretas, segurança interna e Ministério Público (MP), serviram de quase nada para a descoberta da verdade sobre as consequências e responsabilidades políticas do assalto aos paióis. Nesta terça-feira é ouvido Luís Neves, atual diretor da Polícia Judiciária.

Um ex-chefe das secretas a quem "escapou" uma importante reunião onde o Exército deu informações sobre o furto de Tancos e só soube do assalto pelos jornais; a sucessora que desvaloriza uma "lista de compras" de traficantes, com material idêntico ao furtado; uma coordenadora de polícias que descarta possíveis ligações do roubo a terroristas ou traficantes internacionais - duas das pistas que ainda estão a ser investigadas pelo Ministério Público; uma ex-procuradora-geral da República (PGR) a assumir que houve uma denúncia a alertar para o furto, dois meses antes de este acontecer, que era "demasiado superficial" para se avisar o Exército e as Forças de Segurança; a sucessora a garantir que essa denúncia "nunca foi desprezada" pela investigação; por último, o ex-diretor nacional da PJ - que coadjuva o MP na investigação, a revelar que nunca soube de tal denúncia e que até investigou "roubos mais bem planeados".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.