Premium Tancos. Denúncia desvalorizada, "lista" ignorada e uma mão-cheia de quase nada

Duas semanas de audições na comissão de inquérito a Tancos, com chefes e ex-chefes máximos das secretas, segurança interna e Ministério Público (MP), serviram de quase nada para a descoberta da verdade sobre as consequências e responsabilidades políticas do assalto aos paióis. Nesta terça-feira é ouvido Luís Neves, atual diretor da Polícia Judiciária.

Um ex-chefe das secretas a quem "escapou" uma importante reunião onde o Exército deu informações sobre o furto de Tancos e só soube do assalto pelos jornais; a sucessora que desvaloriza uma "lista de compras" de traficantes, com material idêntico ao furtado; uma coordenadora de polícias que descarta possíveis ligações do roubo a terroristas ou traficantes internacionais - duas das pistas que ainda estão a ser investigadas pelo Ministério Público; uma ex-procuradora-geral da República (PGR) a assumir que houve uma denúncia a alertar para o furto, dois meses antes de este acontecer, que era "demasiado superficial" para se avisar o Exército e as Forças de Segurança; a sucessora a garantir que essa denúncia "nunca foi desprezada" pela investigação; por último, o ex-diretor nacional da PJ - que coadjuva o MP na investigação, a revelar que nunca soube de tal denúncia e que até investigou "roubos mais bem planeados".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".