Conseguirão os incêndios derrubar Tsipras?

Primeiro-ministro apelou à união depois dos fogos que fizeram pelo menos 80 mortos na Grécia, mas a oposição já começa a criticar atuação do governo. País sai do programa de assistência a 20 de agosto. Vai a votos em outubro de 2019.

"O primeiro-ministro ateu Alexis Tsipras atraiu a ira de Deus", escreveu no seu blogue o bispo Amvrosios de Kalavryta no Peloponeso. Citado pela edição em inglês do jornal Ekathimerini, o religioso ortodoxo culpou o chefe do governo grego pelos incêndios que fizeram pelo menos 80 mortos e 187 feridos na região de Atenas.

O bispo Amvrosios - de cujas declarações a Igreja Ortodoxa já se distanciou - é apenas uma das várias vozes que começaram a erguer-se para criticar o governo de aliança entre o Syriza e os Gregos Independentes e a forma como geriram a resposta aos fogos. Prestes a sair do programa de assistência financeira - a partir de 20 de agosto a Grécia pode regressar aos mercados depois de mais de oito anos e três pedidos de resgate -, a Grécia vê-se agora confrontada com os piores incêndios em mais de uma década.

Mais uma dor de cabeça para Tsipras, já confrontado com uma vaga de refugiados vindos sobretudo da Síria e com eleições previstas para outubro de 2019. A pouco mais de um ano de os gregos voltarem às urnas, uma sondagem do instituto Metron Analysis publicada em finais de junho pelo jornal Ta Nea dá à Nova Democracia quase 14 pontos de vantagem sobre o Syriza - o partido de Kyriakos Mitsotakis conseguiria 36,7% dos votos, contra apenas 22,6% para a formação do primeiro-ministro. O centrista Movimento para a Mudança, de Fofi Gennimata, surgia em terceiro lugar com 9,9%, à frente da Aurora Dourada (extrema-direita) com 8%.

Depois de uma trégua e demonstrações de união na terça-feira, as primeiras críticas surgiram timidamente. Mesmo por parte de uma feroz adversária de Tsipras. Em declarações à Freedom TV, a líder do partido Caminho da Liberdade sublinhou que "o tempo não é responsável pelas tragédias nacionais", apelando à apuração de responsabilidades "pessoais, políticas e criminais". A antiga presidente do Parlamento grego, que deixou o Syriza para criar a sua própria formação, criticou os que deixavam "os seus cidadãos abandonados", lamentando que Tsipras não tenha ainda ido ao terreno.

"Se gostam da Grécia ajudem-nos a livrar-nos de Alexis Tsirpas e do seu partido zombie."

O alvo das críticas é claro: Tsipras. A 9 de julho, Zoe escreveu um artigo de opinião no diário britânico The Guardianno qual pedia: "Se gostam da Grécia ajudem-nos a livrar-nos de Alexis Tsipras e do seu partido zombie." Segundo a ex-presidente do Parlamento, o primeiro-ministro e o Syriza "traíram o povo grego e os seus princípios".

Apelos à união e críticas veladas

De visita à Bósnia, na terça-feira o primeiro-ministro grego voltou de emergência a Atenas devido aos fogos. Na quarta-feira, colocou no Twitter imagens de uma reunião de emergência do governo em Atenas. Confrontado com a dimensão da tragédia, o chefe do executivo afirmou: "Agora é o momento da unidade e da solidariedade, não pode haver diferenças ou imposições de culpa (...). É o momento de mobilização e de lutar para salvar o que pode ser salvo." Tsipras decretou o estado de emergência na região de Ática e três dias de luto nacional.

Mas isso não impediu algumas críticas do líder da oposição. Num post colocado no Facebook, Mitsotakis garantiu: "Este não é o momento para pedir contas." Lembrando que o país está de luto, o líder da Nova Democracia apelou à "união e solidariedade", não deixando contudo de lembrar que "algo tem de mudar e temos de passar das palavras fáceis para os projetos difíceis".

Algumas organizações de antigos bombeiros denunciaram a ausência de um plano de emergência, além da falta de preparação dos mecanismos do Estado para reagir a uma tragédia destas dimensões.

As mesmas fontes, citadas pelo Ekathimerini , afastam a possibilidade de se ter tratado de fogo posto, como estava a ser avançado pelo governo, onde antes as culpas pela dimensão que os incêndios atingiram na falta de coordenação entre a Autoridade da Região de Ática, os Serviços de Bombeiros e a Proteção Civil.

As voltas e reviravoltas do resistente Tsipras

Nascido em Atenas em 1974, cedo Alexis Tsipras se juntou à juventude do Partido Comunista, destacando-se nos protestos estudantis contra os planos de reforma da edução. Formado em Engenharia, começou a carreira na construção. A política a sério surgiu com a liderança da juventude do Synaspismos, que viria mais tarde a fazer parte do Syriza, uma coligação da esquerda radical.

Candidato à presidência da Câmara de Atenas em 2006, já pelo Syriza, conseguiu mais de 10% dos votos e dar-se a conhecer aos gregos.

Dois anos depois assumia a liderança do partido, sendo eleito deputado em 2009.

Dos 5% nas legislativas de 2009, Tsipras conseguiu passar para 16,8% no escrutínio de maio de 2012. Um resultado que viu melhorar ainda mais nas novas eleições do mês seguinte, convocadas após a Nova Democracia ter falhado a constituição de um governo nas anteriores.

Em janeiro de 2015, Tsipras levaria o Syriza à vitória, depois de uma campanha baseada na ideia de que iria rasgar o programa de assistência financeira a que o país estava sujeito. Mas a realidade da governação rapidamente o levou a moderar as suas posições.

Foram longas reuniões em Bruxelas com os gregos obrigados a impor medidas de austeridade rigorosíssimas, negociações difíceis que tornaram o então ministro das Finanças, Yanis Varoufakis numa verdadeira estrela mundial.

Mas depois de convocar um referendo sobre se a Grécia devia ou não aceitar as condições do resgate propostas pela Comissão Europeia, o FMI e o Banco Central Europeu e de o "não", que defendia, ter ganho, Tsipras protagonizou a reviravolta e assinou um terceiro resgate de 86 mil milhões de euros.

Criticado internamente, com a ala mais à esquerda do partido a rebelar-se e os deputados a abandonar a formação, deixando o primeiro-ministro sem maioria, Tsipras demitiu-se a 20 de agosto de 2015 e convocou novas eleições.

A 20 de setembro, contra todas as previsões, os gregos voltavam às urnas para dar um voto de confiança ao Syriza. Os 35,5% dos votos que conseguiu (e que trazem com ele um bónus de 50 deputados dado ao partido vencedor) chegaram para Tsipras renovar a coligação com os Gregos Independentes, da direita nacionalista.

Casado e pai de dois filhos, aquele que aos 40 anos se tornou o mais jovem primeiro-ministro da Grécia tem nos últimos anos protagonizado uma aproximação aos socialistas europeus, participando mesmo nas suas reuniões, e preparava-se agora para celebrar a saída do programa de assistência que há oito anos mergulhou a Grécia na austeridade. Mas os fogos podem conseguir aquilo que até agora os rivais políticos não conseguiram: derrubar Alexis Tsipras.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."