Premium Adiar ou não o Brexit? May arrisca nova derrota no Parlamento

Emenda da trabalhista Yvette Cooper, que exige um projeto de lei que força o governo a alargar o prazo do artigo 50, poderá ser o prego no caixão do executivo. Mas a primeira-ministra pode antecipar-se, prometendo um voto sobre o tema se não houver acordo até 12 de março. Corbyn apoia segundo referendo.

"Um adiamento é um adiamento, não resolve o problema", afirmou nesta segunda-feira a primeira-ministra britânica, Theresa May, reiterando que chegar a um acordo de saída do Reino Unido da União Europeia até 29 de março é possível. Mas, diante do risco de uma nova derrota no Parlamento que poderá até levar à queda do governo, May poderá prometer aos deputados que terão a possibilidade de votar num adiamento caso não seja aprovado um acordo até 12 de março.

Nesta terça-feira, a primeira-ministra volta ao Parlamento britânico para informar os deputados sobre os avanços nas negociações com Bruxelas. O espinho no acordo do Brexit continua a ser o backstop (mecanismo de salvaguarda) que tem como finalidade impedir a reintrodução de uma fronteira física entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda. Os deputados não gostam do facto de este não ter prazo limite para acabar, nem do facto de o Reino Unido não o poder retirar unilateralmente.

Ler mais

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG