Premium Na coleção do melhor do mundo já só falta mesmo o ouro olímpico

Com o título mundial em K1, Fernando Pimenta acrescentou mais um feito à carreira do melhor canoísta português de sempre. "Já entrou na galeria de notáveis do desporto nacional", exclama o presidente da federação. O treinador Hélio Lucas explica os segredos do campeão a quem só falta cumprir o sonho olímpico.

Hélio Lucas, o treinador que moldou Fernando Pimenta desde os tempos em que o melhor do mundo ainda "virava muitas vezes o caiaque", recorre a uma conversa pessoal que teve com o atleta no dia seguinte à maior desilusão da carreira deste, quando as algas da lagoa Rodrigo de Freitas lhe travaram o sonho olímpico no Rio 2016, para exemplificar como é que o canoísta limiano chegou ao patamar de melhor do mundo, oficializado com o inédito título de K1 1000 conquistado nos Mundiais de canoagem que se realizaram em Montemor-o-Velho - e onde repetiu ainda a vitória na distância de K1 5000.

"Nesse dia seguinte à final no Rio [em que Fernando Pimenta foi quinto, ainda assim a melhor classificação individual de sempre para a canoagem portuguesa em Jogos Olímpicos] eu estava muito triste, porque sabia que ele estava na melhor forma de sempre. Para ter uma ideia, ele estava num momento muito melhor do que está agora. E perder a medalha daquela forma... Levei-o para fora daquele ambiente, para ele limpar a cabeça e podermos conversar sobre como íamos superar aquilo, e ele virou-se desde logo para mim e disse: "Olha, Lucas, eu já virei a página. Já estou focado em Tóquio"", contou ao DN o treinador que nestes Mundiais viu Fernando Pimenta confirmar aquilo que Hélio Lucas já sabia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.