Paraquedista voltou à Guiné e quis bomba Galp só com mulheres

Filhos de libaneses, Chauki Danif nasceu em Bafatá mas fez a escola em Portugal. Regressou à sua Guiné durante a guerra como combatente. Já depois de aposentado das Forças Armadas, regressou de novo, como empresário.

"Tem de conhecer o coronel Danif", disseram-me logo no primeiro dia em Bissau. "Foi militar português, agora é empresário", voltei a ouvir em conversa no hotel Coimbra. Cruzamo-nos numa cerimónia no cemitério de homenagem aos combatentes da Guerra do Ultramar e fica combinada a conversa para a tarde, depois de mais um evento luso-guineense. E é assim, após um brinde com porto à nova Associação Empresarial Portuguesa, junto à fortaleza da Amura, que Chauki Danif me convida para irmos no jipe até à bomba da Galp de que é concessionário. Fica a caminho do aeroporto e são muitos os camiões que ali param para abastecer de gasóleo, tarefa exclusiva de mulheres.

"Contratar só mulheres para o abastecimento foi uma opção política. Os homens aqui não conseguem sustentar as várias casas e as várias famílias que têm. Então eu, pensando friamente, prefiro ter as mulheres a trabalhar, elas que só se preocupam com os filhos e o marido. Do ponto de vista empresarial é melhor. Depois há algumas desvantagens: têm o filho doente e ficam em casa, têm a gravidez...mas são mais as vantagens", explica Danif, ou melhor, o coronel Danif. Não tem maneira de fugir à patente, nem ao passado de bravo combatente.

Acabámos de dar uma volta à gasolineira. Geradores garantem que a bomba funcionará mesmo que a eletricidade falhe. "Na Guiné é preciso pensar em tudo, mas o país é um bom trampolim de oportunidades para pequenas, médias e até grandes empresas portuguesas. Têm é de ter a coragem de arriscar neste momento", diz o empresário, há 12 anos ligado à Galp, mas com outros negócios em mãos, como a exportação de caju e uma empresa de sistemas de videovigilância e geolocalização de viaturas.

Também há afinal alguns homens na bomba, mas não no abastecimento. Sentamo-nos na zona que serve café e o coronel Danif apresenta-me Maria Nafantchamna, cujo avô, chefe numa aldeia balanta, protegeu Nino Vieira, guerrilheiro e futuro presidente da Guiné, de uma operação militar portuguesa, dizendo que era mais um filho, Kabi. Desses tempos, o antigo paraquedista fala hoje sem problemas: "Há uma coisa importante quando se vai para a guerra, que é a lei da sobrevivência. Tínhamos de ser aguerridos, matarmos para não sermos mortos."

Combater na sua Guiné foi um acaso. Danif, filho de libaneses drusos, nasceu em Bafatá em 1949, mas em criança foi enviado para Portugal. Estudou num colégio em Tomar e na Faculdade de Medicina. Mas quando o pai morre, e sendo o mais velho de cinco irmãos, deixa o curso e voluntaria-se para a tropa. Faz comissão na Guiné como alferes e mais tarde entra na Academia militar para seguir carreira. "Estava indicado para Nacala, mas um alferes que na altura estava aqui morreu em combate e, como a rendição nos paraquedistas era individual, vim para a Guiné em vez de Moçambique", conta. Elogia muito a opção pela rendição individual: "Tinha uma vantagem enorme na medida em que num grupo de combate nunca havia só maçaricos ou só velhinhos."

O 25 de Abril apanha-o na Guiné. "Estava como oficial de dia na unidade de paraquedistas, em contacto direto com a Cova da Moura", relembra. "Obviamente, muitos oficiais conhecidos tinham passado por aqui, desde o Otelo Saraiva de Carvalho, Melo Antunes, Jaime Neves." E o próprio general Spínola, que seria o primeiro presidente depois da Revolução, foi governador militar da Guiné. Danif partiu para Lisboa em julho de 1974, pouco antes de Portugal reconhecer a independência proclamada pelo PAIGC. "Fui por coincidência um dos responsáveis que receberam os dois homens que vieram mandatados pelo PAIGC para a fase de transição e que viviam connosco no Palácio do Governo", conta ainda.

O regresso à Guiné deu-se em 1996 (antes, motivos de saúde levaram-no a pedir a aposentação, já coronel). Tem um filho e uma filha, mas da família direta ninguém vive aqui. Está satisfeito com o que tem conseguido fazer na terra onde nasceu. "A Guiné tem uma população extraordinária, um povo amistoso, muito amigo do seu amigo, prestável e apoia bastante quem vem para cá investir. Infelizmente, não foram ensinados desde o início que têm de trabalhar. A maior parte das pessoas pensa que consegue viver só com esquemas, o que é complicado. De resto, a gente pode andar aí na rua e ninguém se mete connosco, estamos à vontade."

Voltando às funcionárias da bomba, fico a saber que incentiva a que estudem: "Algumas estão licenciadas e ficam aqui enquanto procuram emprego." Mais uma bela "opção política" do coronel Danif.

Em Bissau, o DN viajou a convite da EuroAtlantic

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.