Costa seduz eleitorado progressista e faz avisos à esquerda

Líder socialista aproveita comício da rentrée em Caminha para dramatizar geringonça, prometer mais igualdade e anunciar apoios à arte, à ciência e aos emigrados da crise.

"Estabilidade." "Continuidade". "Dar força ao PS". "Ganhar" - europeias, legislativas e "pela primeira vez" a Madeira (onde haverá regionais em 2019). Estas foram ontem as principais palavras-chave do líder do PS no comício, em Caminha, Viana do Castelo, com que o partido se lançou no novo ano político, o último da legislatura iniciada em 2015.

Um comício - antecedido por exibições de folclore do Alto Minho nos quais se quebraram novos recordes ao nível dos agudos - onde todas as formas de mobilização e transporte usadas (comboios e autocarros) não foram suficientes para encher a praça central do Parque 25 de Abril. O evento contou também, a uma distância razoável, imposta pela GNR, com um pequeno mas muito ruidoso protesto de um grupo de lesados do Novo Banco. O início dos discursos foi antecipado para as 17.30 por causa do dérbi Benfica-Sporting.

Para a história do evento ficarão os avisos do líder socialista aos parceiros do PS na maioria de esquerda. Implicitamente, António Costa sugeriu que uma eventual rutura na aliança já no próximo Orçamento poderá derrotar a esquerda no seu conjunto mas legislativas. O que o preocupa são eventuais cálculos eleitorais internos no BE, PCP e PEV que conduzam a um chumbo do próximo OE. "Um voto que se ganha pode ser um país que se perde", disse o líder do PS - e dificilmente podia ser mais claro.

Costa tentou explorar a favor do seu partido os efeitos do voto útil dizendo que "não há nenhum governo progressista em Portugal sem o PS e sem que o PS tenha força para fazer esse governo". Ou seja: "Eles [os parceiros da geringonça] têm sido essenciais mas o PS é imprescindível para que haja um governo de esquerda." Por isso "é absolutamente essencial dar força ao PS" nas eleições que se aproximam - europeias, legislativas e regionais da Madeira - para se poder "dar continuidade" às políticas de devolução de direitos e rendimentos postas em prática desde 2015. "Dar força" para manter a "estabilidade política", para "dar continuidade às políticas" - mas também para "baixar a carga fiscal".

No curto prazo, é "fundamental" que o próximo Orçamento passe, para "não estragar o que já produzimos". Dirigindo-se claramente a BE, PCP e PEV, Costa insistiria: "Não podemos pôr em causa nem a estabilidade política nem ter uma gestão orçamental irresponsável que faça derrapar o défice e aumentar a dívida. Não vamos pôr em causa nem o acordo [das esquerdas] nem o rigor [orçamental]."

E a maioria absoluta?

Numa aparente tentativa de se demarcar da herança socrática, António Costa sublinharia ainda o seu objetivo pessoal como primeiro-ministro: "No dia em que cessar funções não deixarei o país pior do que o encontrei, deixarei muito melhor."

"Maioria absoluta" foi, mais uma vez, uma expressão que evitou. "Não gosto de tabus e por isso deixo claro que só temos uma meta: ganhar nas legislativas, ganhar nas europeias, e pela primeira vez ganhar na Madeira."

Quem falou de "maioria absoluta" foi o outro orador do comício, Miguel Alves, presidente da Câmara Municipal de Caminha e da federação do PS de Viana do Castelo. Mas fê-lo para dizer que "a Portugal e aos portuguesas interessa pouco saber se o PS pede ou não pede maioria absoluta - o que interessa é uma derrota absoluta à direita".

Quanto ao conteúdo do próximo Orçamento, Costa repetiu notícias que já tinha dado: a cultura terá "o maior orçamento de sempre", a ciência vai ter "o maior crescimento orçamental" de todas as áreas e será lançado um programa de incentivos fiscais ao regresso de emigrantes a Portugal - já em 2019-2020 - pagarão metade do IRS durante "um período de três a cinco anos".

Almoço com mulheres

Antes de chegar a Caminha, Costa almoçou com mulheres num forno comunitário no Lugar de Vila Verde, em Riba d"Âncora, ainda em Caminha. Aí reafirmou a promessa de que a lista do PS ao Parlamento Europeu será absolutamente paritária (algo que António José Seguro já havia feito nas europeias de 2014). Sublinhou que a nova proposta de lei da paridade - aprovada pelo governo e a aguardar discussão no Parlamento -, que reforça a quota mínima de um terço para 40%, irá abranger rigorosamente todas as listas políticas. "do Parlamento Europeu às juntas de freguesias", afirmou.

No governo, soube o DN, há a consciência de que o alargamento destes princípios às juntas de freguesia suscita bastantes reservas em muitos dos seus presidentes - que argumentam não conseguirem angariar mulheres para integrar as listas. O líder socialista acrescentou ainda que a proposta de lei inclui uma "imposição de alternância" entre homens e mulheres nos primeiros lugares - para evitar o facto, que considerou "estranho", de as listas atualmente até terem a quota mínima de mulheres (33%) mas depois essa percentagem não se refletir nos eleitos (porque os 33% de mulheres são colocados na parte inferior da lista).

Sublinhou a lei que combate a desigualdade salarial entre homens e mulheres, aprovada há semanas, sublinhando o facto "intolerável" de essa desigualdade aumentar à medida que os quadros são mais qualificados (a média da desigualdade é de 14% mas no topo das empresas ascende a mais de 25%)."Não me venham dizer que a questão salarial é uma questão dos privados. Tudo o que tem que ver com o país tem que ver com a política", enfatizou.

Em suma: num momento em que, segundo fez questão de recordar, há governos europeus que assumem frontalmente práticas desigualitárias (étnicas, raciais ou de credo) é importante pensar que "o combate contra as desigualdades nunca está acabado", sendo essa aliás a razão fundadora do socialismo. "Há sempre novas formas de igualdade a serem descobertas."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.