Premium A Taça das despedidas que dará outro brilho à temporada

Jamor é a última oportunidade para FC Porto e Sporting conquistarem o segundo troféu da época. Herrera e Brahimi despedem-se hoje; Bruno Fernandes provavelmente também.

FC Porto e Sporting têm neste sábado no Jamor (17.15, RTP 1) a última oportunidade para darem brilho a uma época em que tanto um como outro falharam o objetivo principal: a conquista do título nacional. Se para os dragões é impensável concluir apenas com uma Supertaça para amostra uma época em que chegaram às finais das duas taças, apenas caíram ante o Liverpool na Liga dos Campeões e lideraram durante largas jornadas o campeonato, para os leões não seria nada mau fechar a temporada com duas taças depois do que aconteceu a 15 de maio do ano passado na Academia do clube, em Alcochete.

António Sousa, que jogou nos dois clubes durante a década de 1980 e venceu duas Taças de Portugal como jogador e uma como treinador, é da opinião de que "não se pode olhar" para a final da Taça de Portugal como o jogo da salvação da época para os dois lados. "Quer um quer outro já venceram uma prova. O Sporting, olhando para o problema que teve [ataque à Academia de Alcochete que motivou a rescisão de vários jogadores importantes], penso que fez uma época excelente, conseguindo vencer a Taça da Liga e estar na final da Taça de Portugal. Vencer a Taça seria ouro sobre azul, não há nada a apontar ao Sporting. No que diz respeito ao FC Porto, parece-me que estão um pouco frustrados por não terem conseguido vencer o campeonato, que era a prova mais importante, mas fizeram uma Liga dos Campeões muito boa, estão na final da Taça de Portugal, lutaram pelo título até à última jornada e conseguiram vencer a Supertaça. Quer vença uma ou outra equipa, o trajeto de ambas foi mais ao menos ao encontro do que eram as expectativas", acredita o antigo médio de 62 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.