Premium Internos garantem escalas de urgências no verão

Ordem mostra-se preocupada com recurso a médicos em formação para garantir a urgência interna do Hospital de Egas Moniz, situação que diz ser especialmente recorrente na Grande Lisboa. Sindicato vai questionar o centro hospitalar, mas conselho de administração diz que também tem especialistas nas escalas.

O Hospital de Egas Moniz, em Lisboa, tem de recorrer a médicos internos para conseguir garantir as escalas da urgência interna no mês de agosto. O DN sabe que muitos turnos são feitos por médicos ainda em formação, havendo relatos de profissionais que não se sentem preparados para lidar com casos de risco de vida, cenário que preocupa a Ordem dos Médicos. O Sindicato Independente dos Médicos também vai questionar o Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental sobre estas falhas, semelhantes às já denunciadas noutro hospital do CHLO, o São Francisco Xavier.


Ao que o DN apurou, o Egas Moniz prevê ter, em vários dias de agosto, apenas internos indiferenciados para responder a doentes internados que possam descompensar - o hospital não tem urgência externa em todas as especialidades -, médicos em formação de especialidades como endocrinologia ou reumatologia, pouco vocacionadas para casos emergentes. Há mesmo relatos de internos com medo de serem confrontados com situações para as quais não estão preparados. Denúncias que preocupam o responsável pela formação pós-graduada da Ordem dos Médicos. "Essa situação viola as diretrizes da formação médica e põe em causa a segurança dos doentes", sublinha Carlos Cortes, argumento reforçado pelo secretário-geral do SIM. "Isso é ilegal e não contribui para a formação dos internos."

Ler mais

Exclusivos