Manuel de Arriaga, o primeiro Presidente

A primeira página deste dia era quase monotemática, relatando tudo quanto havia que saber sobre o Presidente e a República.

"O primeiro Presidente da República Portuguesa: é eleito o Dr. Manuel d'Arriaga". Assim titulava quase de ponta a ponta o Diário de Notícias deste dia 25 de agosto de 1911.

Na véspera, Manuel de Arriaga fora o escolhido para suceder a Teófilo Braga - que presidia ao governo provisório desde a implantação da República e viria a ter de completar o mandato presidencial quando Arriaga é obrigado a sair, a 29 de maio de 1915.

A longa peça destacava os detalhes da eleição do Presidente pela Assembleia Nacional Constituinte, o discurso de Arriaga e a "grande ovação" quando foi proclamado PR - com 121 votos contra os 86 de Bernardino Machado, os quatro de Duarte Leite e um de Alves da Veiga e de Magalhães Lima, além de quatro brancos.

"Há muito que fazer em benefício da nação", escrevia-se, e um pouco adiante especificava-se o maior dos desafios inerentes ao cargo que acabava de ser criado no país: "O primeiro dever de um chefe de Estado é manter com imparcialidade o equilíbrio da política. Juiz e poder moderador, simultaneamente, o seu duplo papel é tão nobre e tão grandioso que pode deixar atrás de si um coro de bênçãos e de saudades..."

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.