Manuel de Arriaga, o primeiro Presidente

A primeira página deste dia era quase monotemática, relatando tudo quanto havia que saber sobre o Presidente e a República.

"O primeiro Presidente da República Portuguesa: é eleito o Dr. Manuel d'Arriaga". Assim titulava quase de ponta a ponta o Diário de Notícias deste dia 25 de agosto de 1911.

Na véspera, Manuel de Arriaga fora o escolhido para suceder a Teófilo Braga - que presidia ao governo provisório desde a implantação da República e viria a ter de completar o mandato presidencial quando Arriaga é obrigado a sair, a 29 de maio de 1915.

A longa peça destacava os detalhes da eleição do Presidente pela Assembleia Nacional Constituinte, o discurso de Arriaga e a "grande ovação" quando foi proclamado PR - com 121 votos contra os 86 de Bernardino Machado, os quatro de Duarte Leite e um de Alves da Veiga e de Magalhães Lima, além de quatro brancos.

"Há muito que fazer em benefício da nação", escrevia-se, e um pouco adiante especificava-se o maior dos desafios inerentes ao cargo que acabava de ser criado no país: "O primeiro dever de um chefe de Estado é manter com imparcialidade o equilíbrio da política. Juiz e poder moderador, simultaneamente, o seu duplo papel é tão nobre e tão grandioso que pode deixar atrás de si um coro de bênçãos e de saudades..."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.