Premium Espanhóis pró-armas querem destituir polícia encarregado "do cumprimento da lei"

Associação Nacional de Armas de Espanha tem alimentado pressão junto de deputados e eurodeputados portugueses para evitar alterações à atual lei das armas. Temem que Espanha copie legislação portuguesa.

A Associação Nacional de Armas de Espanha (Anarma) admitiu nesta sexta-feira que espera que os utilizadores portugueses de armas legais consigam a destituição do superintendente da PSP, Pedro Moura, "encarregado do cumprimento da lei em matéria de armas", em resposta a questões colocadas pelo DN. Esta associação pró-armas tem alimentado a pressão junto de deputados e eurodeputados portugueses para evitar alterações à atual lei das armas, como avançou o DN.

O presidente da Anarma, Javier Arnaiz Larson, acusa o departamento de armas e munições da PSP, dirigido por aquele superintendente, de estar a "redigir" a "transposição mais liberticida contra os interesses dos utilizadores legais de arma da Europa", uma vez que "o poder político carece de conhecimento sobre esta matéria complexa", instigando por isso os cidadãos portugueses a pedirem a demissão ou exoneração de Pedro Moura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.