Premium Heróis do Ar: os primeiros recrutas da Força Aérea que festejam duas vezes o 25 de Abril

Há 60 anos, um grupo de 500 rapazes de todo o país chegava a Monte Real (Leiria) na primeira recruta da Força Aérea Portuguesa. A maioria tinha 17 anos e não imaginava que iria parar à guerra. O DN juntou alguns deles, na véspera da festa em que celebram dois 25 de abril: o de 1959 e o de 1974.

Aquele 25 de abril de 1959 foi premonitório. Eram 523 rapazes alinhados no juramento de bandeira, que davam corpo à primeira recruta da Força Aérea Portuguesa. A instrução fizera-se na Serra da Carregueira (num aquartelamento onde hoje está o Estabelecimento Prisional), e daí seguiram, a 4 de outubro, para inaugurar a Base Aérea nº 5 de Monte Real. Nesta manhã, 60 anos depois, muitos deles vão juntar-se para festejar esse tempo. Virão de todos os pontos do país e do estrangeiro, numa comemoração sem precedentes. O DN juntou três deles (que fazem parte da comissão organizadora) para recordar o tempo em que o céu era o limite. Olegário Silva, Silvino Damásio e João Marques da Silva (a que se juntam João Botas, José Gouveia e Jacinto Lopes) têm agora entre os 77 e os 80 anos e foram incansáveis na organização. Descobriram, por conta própria, que 113 já faleceram. Mas contactaram as famílias, descobriram a dramática ordem natural da vida, quando perceberam que muitos já estão acamados ou incapacitados, de alguma forma.

Desde que a recruta comemorou 50 anos, em 2009, que andam a planear esta festa em grande, mas já antes se juntavam. Na verdade, nunca deixaram de fazer convívios. "Nós olhamos uns para os outros como se ainda tivéssemos 17 anos", dizem.

Ler mais

Exclusivos