Premium Félix e Bruno. As virtudes, os defeitos e o valor dos "dois príncipes" da Liga

António Simões, Carlos Xavier e Rodolfo Reis estão rendidos ao valor dos dois jogadores que estão a marcar neste campeonato e a ser cobiçados por alguns dos melhores emblemas europeus. Elogiam as qualidades de um e outro, mas também apontam aspetos a melhorar.

João Félix e Bruno Fernandes. Provavelmente não haverá muitas dúvidas de que se tratam dos dois melhores jogadores do campeonato português. O avançado de 19 anos brilha no Benfica; o médio de 24 leva o Sporting às costas. Este trabalho, com recurso às opiniões dos ex-jogadores António Simões, Carlos Xavier e Rodolfo Reis, não pretende chegar a uma conclusão sobre quem é melhor jogador, até porque se tratam de futebolistas diferentes. Mas sim perceber pontos fortes, fracos, margem de progressão, valor de mercado e a preponderância e afirmação de ambos nas respetivas equipas e na seleção.

Bruno Fernandes, de 24 anos, nem era para fazer parte do plantel dos leões, pois foi um dos jogadores que pediu a rescisão de contrato, na sequência do ataque a Alcochete. Recuperado por Sousa Cintra, começou um pouco tímido com José Peseiro - apenas um golo e uma assistência nos cinco primeiros jogos do campeonato -, mas foi melhorando gradualmente, explodindo com a entrada do treinador holandês Marcel Keizer. Atualmente, apresenta números impressionantes: 28 golos e 16 assistências em 48 partidas oficiais disputadas em 2018-2019. Só no campeonato, tem 16 golos e 11 assistências em 29 encontros. O jogador leonino, que ganhou a braçadeira de capitão, igualou Alex, antigo médio do Fenerbahçe, como o médio que mais golos marcou na Europa numa só época neste século, superando os 27 golos do lendário inglês Frank Lampard, grande referência do Chelsea.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.