Premium Félix e Bruno. As virtudes, os defeitos e o valor dos "dois príncipes" da Liga

António Simões, Carlos Xavier e Rodolfo Reis estão rendidos ao valor dos dois jogadores que estão a marcar neste campeonato e a ser cobiçados por alguns dos melhores emblemas europeus. Elogiam as qualidades de um e outro, mas também apontam aspetos a melhorar.

João Félix e Bruno Fernandes. Provavelmente não haverá muitas dúvidas de que se tratam dos dois melhores jogadores do campeonato português. O avançado de 19 anos brilha no Benfica; o médio de 24 leva o Sporting às costas. Este trabalho, com recurso às opiniões dos ex-jogadores António Simões, Carlos Xavier e Rodolfo Reis, não pretende chegar a uma conclusão sobre quem é melhor jogador, até porque se tratam de futebolistas diferentes. Mas sim perceber pontos fortes, fracos, margem de progressão, valor de mercado e a preponderância e afirmação de ambos nas respetivas equipas e na seleção.

Bruno Fernandes, de 24 anos, nem era para fazer parte do plantel dos leões, pois foi um dos jogadores que pediu a rescisão de contrato, na sequência do ataque a Alcochete. Recuperado por Sousa Cintra, começou um pouco tímido com José Peseiro - apenas um golo e uma assistência nos cinco primeiros jogos do campeonato -, mas foi melhorando gradualmente, explodindo com a entrada do treinador holandês Marcel Keizer. Atualmente, apresenta números impressionantes: 28 golos e 16 assistências em 48 partidas oficiais disputadas em 2018-2019. Só no campeonato, tem 16 golos e 11 assistências em 29 encontros. O jogador leonino, que ganhou a braçadeira de capitão, igualou Alex, antigo médio do Fenerbahçe, como o médio que mais golos marcou na Europa numa só época neste século, superando os 27 golos do lendário inglês Frank Lampard, grande referência do Chelsea.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.