Shakespeare na ONU, adeus À Rainha e nova escalada de Putin

SÁBADO

Depois de Nur Sultan, capital cazaque volta a chamar-se Astana

Em cazaque, "astana" significa capital. Ora, neste sábado, o presidente, Kasym-Jomart Tokayev, assinou um decreto que determina a mudança de nome da capital do Cazaquistão de Nur Sultan para Astana. Na verdade, apenas um regresso à designação usada de 1998 até 2019, mas na prática um sinal de rutura com a herança do ex-presidente Nursultan Nazarbayev, que dava nome à cidade de pouco mais de um milhão de habitantes. Hoje com 82 anos, Nazarbayev governou a ex-república soviética desde a independência, em 1991, até 2019, gozando de um forte culto da personalidade graças ao sucesso do país. Desde que chegou ao poder, Tokayev, de 69 anos, procurou distanciar-se da herança do antecessor, aprovando reformas e afastando-se do influente clã do ex-presidente, sobretudo após os protestos violentos de janeiro passado.

DOMINGO

Seleção de futsal junta a Finalíssima à coleção de troféus

Bicampeonato Europeu, Campeonato do Mundo e agora a Finalíssima. A seleção portuguesa de futsal venceu tudo o que havia para vencer, até a primeira edição desta nova prova de UEFA e da nova prova da UEFA e da CONMEBOL, que junta os melhores da Europa com os melhores da Copa América. O tempo regulamentar chegou ao fim com Portugal e Espanha empatados 1-1 e nem o prolongamento conseguiu desfazer o resultado. Foi, portanto, com os penáltis que chegou a decisão, com o guarda-redes Edu a defender dois remates espanhóis, oferecendo mais um troféu a Portugal, que não falhou nenhum dos quatro disparos. Uma vitória a provar que no futsal há vida para além de Ricardinho, o internacional que em abril se despediu da seleção, marcando o fim de um ciclo, mas não das vitórias.

SEGUNDA

Adeus a Isabel II, que fica para sempre ao lado do seu Filipe

Após 11 dias de luto nacional, o Reino Unido - e o mundo - despediram-se de Isabel II com um funeral de Estado, a que assistiram, além da família real em peso (inclusive George e Charlotte, os filhos mais velhos do agora herdeiro do trono, William), representantes das casas reais europeias, o imperador do Japão, líderes de todo o mundo e todos os primeiros-ministros britânicos vivos, de John Major a Liz Truss. Com multidões a acompanhar a urna no seu trajeto entre Westminster e Windsor, no castelo nem os seus amados Corgi quiseram faltar à última despedida da rainha. Após uma cerimónia privada, Isabel II foi sepultada no Memorial George VI, um anexo onde foram enterrados os pais e depositadas as cinzas da irmã Margarida. O marido, o príncipe Filipe, está enterrado ao lado dela, após ser transferido da cripta real. "Lilibet" fica assim para a eternidade ao lado do seu "Rochedo".

TERÇA

Shakespeare no alerta de Guterres contra "cascata de crises"

"Um inverno de descontentamento global." Foi com esta adaptação da primeira frase da peça Ricardo III, de Shakespeare, que António Guterres alertou os líderes mundiais sobre as possíveis consequências da "cascata de crises" que se está a formar no primeiro dia de debate da 77.ª Assembleia-Geral da ONU, presencial após dois anos de pandemia. Numa sessão marcada pelas ausências dos líderes chinês, Xi Jinping, e russo, Vladimir Putin, Guterres não moderou nos alertas sombrios: "A crise do aumento do custo de vida está a agravar-se. A confiança está a desmoronar-se, as desigualdades estão a disparar, o nosso planeta está a arder. As pessoas estão em sofrimento - com os mais vulneráveis a padecer mais." Apesar de tudo, deixou uma nota de "esperança", simbolizada pelo primeiro navio carregado de cereais ucranianos a sair em direção à Etiópia e Iémen, após o acordo entre Rússia e Ucrânia, com o patrocínio da ONU e da Turquia.

QUARTA

A escalada de Vladimir Putin no Dia da Paz

Esteve previsto para a véspera, mas Vladimir Putin adiou o seu discurso a ponto de o fazer coincidir com o Dia Internacional da Paz. Coincidência ou não, a verdade é que, um dia após o anúncio das datas para os referendos no Donbass sobre a anexação pela Rússia - 23 a 27 de setembro -, o presidente russo veio falar numa mobilização parcial dos reservistas. Retomando um argumento que usou para lançar a "operação militar especial" contra a Ucrânia, a 24 de fevereiro, Putin voltou a denunciar "atrocidades" cometidas por "neonazis" e repetiu a ameaça de recorrer a armas nucleares. Pode ter falhado a AG da ONU, mas marcou o dia com uma manobra que se segue a duras perdas russas no terreno, mas que, se uns veem como sinal de fraqueza, outros condenam uma escalada que ameaça agudizar o conflito. Para já, milhares de russos fugiram do país para escapar à mobilização.

QUINTA

A menina afegã dos olhos verdes e muito mais na Cordoaria

Trinta e dois anos depois de ter fotografado Sharbat Gula num campo de refugiados no Paquistão, uma imagem que na capa da National Geographic tornou conhecida a menina afegã dos olhos verdes, Steve McCurry esteve em Lisboa para a inauguração da exposição Icons, na Cordoaria Nacional. Os olhos "contam a história de vida de uma pessoa", afirmou ao DN, explicando a importância deste traço na sua fotografia. Questionado sobre o recente regresso dos talibãs ao poder no Afeganistão, o fotógrafo norte-americano lamentou o "desperdício de potencial das mulheres, que perderam os seus direitos". Quanto aos seus retratados, o fotógrafo, de 72 anos, diz manter o contacto com vários, inclusive Gula, que hoje vive em Itália. Quem quiser ver o mundo através da lente de McCurry pode fazê-lo até 22 de janeiro.

SEXTA

O bicentenário da primeira Constituição e as lições para hoje

"Ou a realidade do dia a dia dos cidadãos, das pessoas, é feita de passos de progresso e de justiça, mesmo que com altos e baixos, em especial em tempos de pandemias, de guerras ou de crises económicas, passos de efetiva justiça e igualdade, ou liberdade e democracia não avançam, recuam." O alerta foi deixado por Marcelo Rebelo de Sousa na Assembleia da República, num discurso na sessão solene evocativa da aprovação da Constituição de 1822. Para o Presidente da República, esta é a grande lição dos 200 anos do constitucionalismo em Portugal. Numa entrevista ao DN, Guilherme d"Oliveira Martins, presidente da Comissão das Comemorações, também sublinhara a importância de um documento que, apesar de ter vigorado pouco mais de um ano, "é um farol, é uma referência e representa um marco irreversível". Olha o passado com lições para o presente.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG