Ameaças de morte à autora da petição para revogar o Brexit

"Quem deseja assim tanto o Brexit, que está preparado para matar?", questiona Margaret Anne Georgiadou. Petição ultrapassou 4,7 milhões de assinaturas no dia em que um milhão saiu às ruas a pedir novo referendo.

A professora universitária reformada, de 77 anos, que iniciou a mais bem-sucedida petição de sempre no Reino Unido, recebeu três ameaças de morte pelo telefone e viu a sua conta no Facebook pirateada. "Quem deseja assim tanto o Brexit, que está preparado para matar?", reagiu Margaret Anne Georgiadou.

À BBC, admitiu ter ficado a "tremer" devido às ameaças e que não disse nada ao marido, mais velho, "porque ficaria histérico". "Sinto-me terrível, sinto-me zangada comigo mesma porque pensei que era mais forte. Mas eu fiquei com medo."

A cidadã britânica anunciou também no Twitter que devido ao facto de ter sido alvo de uma "torrente de insultos" iria encerrar a conta de Facebook.

Georgiadou, que se encontra em Chipre, pediu ainda através do Twitter para os manifestantes cantarem o famoso hino You'll Never Walk Alone.

Lobos e cães-guias

A sua petição, Revogar o Artigo 50.º e Permanecer na UE, criada no dia 12 de fevereiro, teve um boom a partir de quarta-feira, no dia em que a primeira-ministra Theresa May, numa declaração ao país, culpou os deputados pelo impasse quanto ao acordo de retirada do Reino Unido da União Europeia. "O governo afirma repetidamente que sair da UE é 'a vontade do povo'. Temos de pôr termo a esta afirmação, provando agora a força do apoio público à permanência na UE. Um referendo pode não acontecer - por isso, votem agora", lê-se na petição.

À rádio LBC, defendeu que um referendo "não é muito democrático". "A maioria ganha e é decidida pela maioria para a maioria. Que se lixe a minoria. Enquanto a verdadeira democracia inclui a opinião de todos na sociedade", disse Georgiadou. E terminou, lapidar: "Num país de cegos os lobos são muitas vezes confundidos por cães-guias."

No top das petições

A afluência à petição foi de tal ordem que o site das petições esteve várias horas indisponível. Na noite de sábado tinha passado 4,7 milhões de assinaturas - a petição mais popular de sempre. A segunda petição (e já agora, a quarta) da lista pede um segundo referendo ao Brexit. Chegou aos 4,1 milhões de assinaturas, enquanto a quarta, iniciada pelo jornal Independent com o mesmo objetivo, alcançou 1,2 milhões de assinaturas. A terceira petição mais popular pedia ao Parlamento para impedir uma visita de Estado de Donald Trump porque iria causar embaraço à rainha devido à "misoginia e à vulgaridade" do presidente dos Estados Unidos.

Ao atingir a marca das cem mil assinaturas, uma petição pode ser selecionada para debate na Câmara dos Comuns. Qualquer cidadão britânico ou com estatuto de residente no Reino Unido pode subscrever o documento.

Às ameaças à autora da petição seguiu-se uma notícia do bloggerGuido Fawkes, na qual se alega que Margaret Georgiadou fez ameaças no Facebook a Theresa May, entre outras mensagens em que pedia informações sobre a compra de armas. Este artigo foi replicado pelo Daily Mail, um dos jornais britânicos mais lidos. Recordemos, porém, que a professora reformada, de 77 anos, afirma que a sua conta de Facebook foi pirateada.

Multidão manifesta-se a favor de referendo

Os britânicos tiveram mais uma oportunidade para demonstrar a sua oposição à saída do Reino Unido da União Europeia, pelo menos da forma como o governo de Theresa May está a tentar fazê-lo. À marcha pelo referendo, que se realizou na tarde de sábado entre o Hyde Park e Westminster, acorreu um mar de gente oriunda de vários pontos das ilhas britânicas. Segundo a campanha People's Vote, um milhão de pessoas marcou presença.

A confirmar-se a afluência, terá sido a maior manifestação do século em Londres, tendo destronado o protesto contra a guerra no Iraque, em 2003. Num ambiente festivo e ordeiro, os manifestantes exprimiram através de cartazes e bandeiras os seus sentimentos sobre o folhetim do Brexit. À manifestação juntaram-se políticos de quase todos os partidos, embora com a ausência do líder da oposição Jeremy Corbyn. Em seu lugar esteve o deputado Tom Watson, que deixou uma mensagem a Theresa May enquanto se dirigia à multidão: "Só posso votar no acordo se você também deixar as pessoas votarem. Primeira-ministra, você perdeu o controlo do processo, está a mergulhar o país no caos, deixe as pessoas assumirem o controlo da situação."

A líder do governo escocês Nicola Sturgeon também marcou presença. "Se tivesse um pouco de coerência a primeira-ministra estaria aqui neste palco agora mesmo. Não digo que teria uma grande receção, mas devia estar aqui. Porque no vergonhoso discurso que fez em Downing Street na quarta-feira à noite, atirando o Parlamento contra o povo, passou a mensagem de que a voz do povo estava a ser frustrada. Então se é isso que pensa deixe o povo expressar-se", disse a nacionalista escocesa e pró-europeia.

Na manifestação também participaram os deputados do Grupo Independente. O deputado Chris Leslie (ex-trabalhista) anunciou que o seu grupo vai apresentar uma emenda para debate na segunda-feira a pedir um segundo referendo.

Enquanto as massas manifestaram-se pela realização de um segundo referendo, o populista Nigel Farage continuou a sua March to leave (marcha pela saída). O seu comício em Linby, perto de Nottingham, terá atraído, segundo a BBC, umas 200 pessoas. Enquanto falava, o grupo de ativistas Led by Donkeys mostrou imagens num ecrã gigante de Farage a defender um segundo referendo ou a tecer elogios ao controverso político norte-americano Roy Moore.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?