Premium Milton Nascimento: "Está tudo muito esquisito no Brasil"

O músico brasileiro Milton Nascimento está de regresso a Portugal para revisitar ao vivo o lendário álbum Clube da Esquina, gravado no início dos anos 70, em parceria com o cantor e compositor Lô Borges.

Em 1972, Milton Nascimento já era um cantor conhecido no Brasil, com uma carreira iniciada cerca de dez anos antes e quatro discos em nome próprio. Aos 29 anos, porém, o músico carioca, então radicado em Belo Horizonte, ainda não tinha dado o salto para a primeira divisão da MPB, mas isso não o preocupava muito, a música, sim, era o mais importante. Por essa altura, tornaram-se famosos os encontros com os irmãos Marilton, Lô e Márcio Borges, que na altura tinha apenas 18 anos, na esquina das ruas Divinópolis com Paraisópolis, bem no coração do tradicional bairro de Santa Tereza, junto à pensão onde Milton então vivia, na capital mineira.

Foi nessas sessões de música na rua que surgiram temas com Cravo e Canela, Trem Azul, Nada Será como Antes, Estrelas, São Vicente e Cais, hoje verdadeiros clássicos da MPB. O resultado desses encontros ficaria registado no disco duplo Clube da Esquina, editado nesse ano de 1972 e assinado a meias por Milton Nascimento e Lô Borges. À época, o álbum foi totalmente arrasado pela crítica, que pretendia à força encontrar um novo Caetano Veloso ou outro Chico Buarque, não compreendendo que aquela música inter-racial, internacional e intemporal abria todo um novo leque de possibilidades para a MPB, como o tempo se encarregou de provar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.