Premium "Nunca consegui esquecer esses gritos." Vítimas de mutilação genital pedem ajuda.

Em África, segundo a OMS, só existe um profissional de saúde mental por cada cem mil pessoas.

As vítimas de mutilação genital feminina dizem que a ajuda de que mais precisam é a nível de saúde mental e instam os governos e as organizações não governamentais a providenciar-lhes apoio para conseguirem lidar com o trauma a longo prazo.

Sobreviventes e ativistas, reunidos numa cimeira sobre o tema no Senegal, na semana que passou, consideraram que a saúde mental deve ser a prioridade no que toca às vítimas de mutilação genital feminina e a casamentos infantis.

Ler mais

Exclusivos