Vítor Gaspar, sai do corpo do Centeno!

Mário Centeno tem razão. Um Orçamento do Estado deve ser construído a pensar na generalidade dos portugueses e não só em alguns setores. E faz bem, o ministro das Finanças, quando impede a devolução integral da progressão das carreiras dos professores.

A austeridade provocada pela crise económica e financeira não afetou apenas os professores. Tocou a todos, ou quase todos. Trabalhadores do público e do privado, por conta própria ou por conta de outrem, jovens, pensionistas, foi transversal. Porque haveria o país de devolver com retroativos as progressões nas carreiras dos professores e não devolver, com os mesmos retroativos, as pensões que foram cortadas aos pensionistas? Ou o dinheiro da sobretaxa que todos pagámos? Que direito especial têm os professores, diferente dos restantes funcionários públicos, que viram os seus salários cortados e a sua progressão na carreira igualmente congelada?

Mas não é este o argumento político de Centeno. O ministro prefere defender-se com o programa de governo - a recuperação do tempo de serviço dos professores não estava lá - e com o muito que este executivo já fez pelos docentes, sobretudo em comparação com o que foi feito noutras carreiras na administração pública.

Mário Centeno puxa o filme ainda mais atrás e argumenta com as regras criadas pelos seus antecessores - Maria Luís Albuquerque e Vítor Gaspar - para lembrar que nunca esteve previsto devolver o período de congelamento. E se ele, Mário Centeno, se limita a cumprir essas regras, isso só pode significar que concorda com elas.

Por fim, o último e o mais importante dos argumentos do ministro das Finanças é este: o país não está em condições de responder às reivindicações dos professores. É sempre uma questão de opções políticas e a opção de Centeno passa por manter a trajetória de reabilitação das contas públicas, sem deixar de cumprir o que ficou acordado com os parceiros à esquerda. Ora, o descongelamento das carreiras dos professores não estava nos acordos com o Bloco de Esquerda e com o PCP. Logo, Centeno não se sente obrigado a cumprir uma coisa que não estava acordada e que vem acrescentar despesa ao Orçamento do Estado.

O ministro das Finanças sabe que a Portugal não basta sair do Procedimento por Défice Excessivo. Um país que tem uma dívida astronómica - acima dos 120% do produto interno bruto - tem de estar consciente de que qualquer passo em falso pode deitar tudo a perder, que o contexto externo é incerto, que os juros não vão ficar eternamente baixos e que o país precisa de se preparar para futuros choques.

Acresce que Mário Centeno não é apenas o ministro das Finanças, é também presidente do Eurogrupo, o que lhe traz - a ele e ao país - uma responsabilidade acrescida. A Centeno não basta ser "o bom aluno" de Bruxelas, ele tem de estar no quadro de honra, porque só assim é possível pegar na palmatória e pedir a mão de outros Estados membros, mais faltosos e menos cumpridores.

E, em tudo isto, é impossível ignorar a enorme ironia política. É que, na entrevista ao Público, Mário Centeno tem frases que podiam ter sido ditas por qualquer dos seus antecessores, incluindo Vítor Gaspar e Maria Luís Albuquerque. Com todas as diferenças políticas - que existem -, há uma base que os une, e essa base não é apenas a necessidade de cumprir com as metas orçamentais, é a vontade, sempre maior, de "ir para além da troika", para além das metas. Apesar de todos os discursos feitos no passado sobre as regras da União Europeia, sobre o Tratado Orçamental, Centeno sabe, como António Costa também sabe, que os defeitos da Europa não se corrigem aos berros, mas ao ouvido do ministro das Finanças alemão... tal como Vítor Gaspar fez.

Ao João Semedo

Conheci-o na comissão de inquérito ao BPN e gostei imediatamente dele. É daquelas coisas de pele, não sei explicar. O João era dos bons. Fomos trabalhando juntos ao longo dos anos, eu como jornalista, ele como deputado e dirigente do Bloco de Esquerda. Nunca me rejeitou uma chamada e nunca me deixou sem resposta, mesmo quando não me podia dizer nada. Mesmo quando já lhe era difícil falar. Sempre leal. Sempre inteligente. Sempre gentil. Calcorreámos muita calçada por esse país fora, em campanha eleitoral, cada um na sua função. Estendi-lhe várias vezes o microfone e ele, que nem sempre respondia ao que eu tinha perguntado, raramente me atirou com o politicamente correto. Sempre convicto. Sempre acutilante. Sempre leal, inteligente e gentil.

Ao João Semedo só quero dizer obrigado. Foi e será sempre um prazer.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.