Premium "Se a ameaça é elevada, come-se e fazem-se as necessidades no carro de combate"

Elisabete Silva é major do Exército e, depois de ser a primeira mulher a entrar para as armas combatentes do ramo, tornou-se também a primeira a exercer as funções de porta-voz nas Forças Armadas.

É a primeira mulher a servir como porta-voz nas Forças Armadas. Foi uma surpresa?

Com toda a sinceridade, não estava à espera. Tinha acabado de vir do curso de Estado-Maior [EM] e não estamos preparados para este ambiente. Estava muito habituada ao ambiente tático, a usar linguagem o mais básico possível para poder ser compreendida por toda a gente... quando se dão ordens em parada não se elaboram grandes discursos. O EM dá uma perspetiva mais da estratégia e da política e passei muito rapidamente do patamar tático para o estratégico-político. Não tenho interferência nenhuma nas decisões, mas tenho de estar por dentro e isso é uma grande dificuldade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.