Premium Lições da greve dos camionistas

Podemos retirar três lições da greve dos camionistas, relacionadas com a moldura institucional, o nível de desenvolvimento infra-estrutural e as relações de trabalho em Portugal. Quanto ao primeiro tema, aquilo que podemos observar a partir de longe é que o país tem um quadro legislativo bem montado, que permite a actuação do governo em matérias sensíveis, como a do abastecimento de combustível. As greves devem ser todas iguais, mas os sectores em que elas ocorrem são diferentes e os governos devem poder agir de forma diferente, consoante o impacto de cada greve no funcionamento do país. Como concluiu Susana Peralta no Público, a greve foi dirigida por "um negócio de outsourcing da luta vendido por" um indivíduo que soube aproveitar as dificuldades salariais no sector. A pessoa em causa pensava que sabia jogar com a lei, mas teve como resposta um governo a recorrer à força institucional que lhe era permitida. Goste-se ou não, foi isso que aconteceu. Essa capacidade de resposta é uma herança do desenvolvimento institucional do país, que não deve ser esquecida - nem as suas consequências retiradas da alçada da supervisão democrática.

A segunda conclusão deixada pela greve está relacionada com os níveis de dotação de infra-estruturas do país. No Twitter, Pedro Magalhães recordou um mapa, bem conhecido de quem lida com os petróleos, que mostra que a rede portuguesa de oleodutos tem uma densidade menor do que a espanhola. Em muitas áreas, o nível de infra-estruturas em Portugal é menor do que o resto da Europa, sinal de décadas - ou séculos - de menor investimento, associado ao menor desenvolvimento do país. Mas como se pode ver nos comentários à publicação do mesmo mapa, em Portugal estes investimentos aparentam ter uma opinião pública desfavorável. Presentemente, quando se fala em infra-estruturas, logo vem alguém dizer que se investiu de mais em "betão" e que Portugal tem uma das melhores redes de estradas da Europa. Na verdade, nas estradas, Portugal, chegando tarde, atingiu um nível médio relevante e será pouco o que restará fazer neste capítulo. Se houve excessos, eles foram marginais.

Ler mais