Viver até aos 100 anos e uma rosa por 120 contos

A promessa de um futuro com longevidade assegurada era atestada por "seiscentos especialistas": o "homem centenário" seria uma realidade "a partir do ano 2000", garantia o DN neste dia em que outro número fazia subir sobrancelhas: o valor milionário de uma nova flor.

A notícia era assinada pelo Harold Cardoso e trazia uma promessa de futuro melhor. Numa altura em que a esperança média de vida em Portugal pouco passava dos 60 anos, "seiscentos professores, médicos e biólogos reunidos em Londres no Congresso Internacional de Gerontologia" afirmavam que "a partir do ano 2000" haveria homens centenários.

O relato feito pelo correspondente especial em Londres, não sem ponta de ironia - "convém esclarecer que estes sagazes profetas exprimem por vezes verdades à La Palisse como a seguinte: 'o homem não morrerá a menos que seja atacado por uma doença mortal'" -, dava a notícia como certa e "sem receio de errar".

O jornal lembrava que em 50 anos a "média da vida humana" passara dos 48 anos para os 67. Mas afirmava que "a máxima segundo a qual um homem é velho a partir dos 40 persiste, não obstante todos os fisiologistas reconhecerem que os indivíduos de mais de 40 possuem uma vivacidade intelectual pelo menos idêntica à de um jovem de 25 e experiência e ponderação muito superiores".

Deixava ainda impressões das diferentes visões dos especialistas sobre o que poderia ajudar à longevidade: "Uns preconizam abstenção de álcool e tabaco, outros falam dos benefícios do whisky e dos charutos de boa marca." Todos concordavam, porém, num ponto: "As vantagens da atividade física e mental."

Nesta mesma edição do DN, uma chamada mais pequena mas nem por isso menos surpreendente: "Uma rosa por 120 contos". "A grande novidade da Exposição de Floricultura de Southport que se inaugura depois de amanhã será uma rosa azul", contava-se no DN. "Foram necessários mais de 10 anos a Samuel McGredy III (terceira geração de uma família de jardineiros que criou centenas de novas flores, muitas delas rosas) para chegar a este resultado que lhe custou perto de 120 mil escudos." A preços atuais e considerando a inflação e a mudança para o euro, esse valor ascenderia ao equivalente a mais de 50 mil euros.

De acordo com arquivos de botânica especializados em rosas, quando o pai, Sam McGredy II, soube dessa criação, mandou destruí-la de imediato. O argumento: "Não permitiria que a Casa de McGredy fosse responsável pela deterioração do bom gosto." McGredy III morreu cedo, aos 38 anos, e não fez nova tentativa. Até hoje, apenas existem rosas de algumas variações de lilás - nenhuma verdadeiramente azul.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?