Premium MIT quer pôr aviões e submarinos a comunicar entre si

Por enquanto, os submarinos não conseguem comunicar diretamente com algo que esteja no ar, por limitações físicas de sinal, que sofre interferências da água. Mas há investigadores do MIT que querem mudar essa situação.

Os investigadores do Massachusetts Institute of Technology (MIT) estão a desenvolver um projeto que, através de uma mistura de sonares e radares, conseguirá estabelecer comunicação entre algo que está debaixo de água, como um submarino, e um transporte aéreo.

Segundo os investigadores, a ideia é que o sistema sem fios envie um sinal de sonar para a superfície, com as diferentes vibrações emitidas a corresponderem a código binário, que transmite a informação através de 0 e 1.

Acima da água, um radar de altas frequências consegue captar a informação e processá-la para que possa ser novamente transmitida. A abordagem inicial ao projeto feita pelo MIT conta com condições de mar com ondas de pequenas dimensões, com apenas 16 centímetros de altura. No entanto, o MIT espera conseguir testar este tipo de comunicação em condições de mar mais agrestes.

A ideia deste projeto não é a de pôr submarinos a enviar fotos ou a fazer grandes comunicações de voz com aviões. A lógica é a de que esta comunicação funcione de uma forma unilateral, para que os submarinos possam saber se estão a navegar por uma área segura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.