Premium MIT quer pôr aviões e submarinos a comunicar entre si

Por enquanto, os submarinos não conseguem comunicar diretamente com algo que esteja no ar, por limitações físicas de sinal, que sofre interferências da água. Mas há investigadores do MIT que querem mudar essa situação.

Os investigadores do Massachusetts Institute of Technology (MIT) estão a desenvolver um projeto que, através de uma mistura de sonares e radares, conseguirá estabelecer comunicação entre algo que está debaixo de água, como um submarino, e um transporte aéreo.

Segundo os investigadores, a ideia é que o sistema sem fios envie um sinal de sonar para a superfície, com as diferentes vibrações emitidas a corresponderem a código binário, que transmite a informação através de 0 e 1.

Acima da água, um radar de altas frequências consegue captar a informação e processá-la para que possa ser novamente transmitida. A abordagem inicial ao projeto feita pelo MIT conta com condições de mar com ondas de pequenas dimensões, com apenas 16 centímetros de altura. No entanto, o MIT espera conseguir testar este tipo de comunicação em condições de mar mais agrestes.

A ideia deste projeto não é a de pôr submarinos a enviar fotos ou a fazer grandes comunicações de voz com aviões. A lógica é a de que esta comunicação funcione de uma forma unilateral, para que os submarinos possam saber se estão a navegar por uma área segura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.