Efeitos da política barata

Nas vésperas da manif dos polícias, as revistas científicas Nature e The Astrophysical Journal publicaram um artigo assustador. No último ano, observatórios espaciais surpreenderam-se com duas explosões cósmicas extraordinárias. Sopros de raios gama libertaram em poucos segundos mais energia do que todas as explosões juntas do nosso Sol ao longo de toda a vida dele. Assustador.

Ninguém do Movimento Zero que dominou a manifestação desta semana deve ter lido as citadas revistas. Em todo o caso relaciono os dois acontecimentos quase simultâneos - as explosões cósmicas dos raios gama e a manif na escadaria de São Bento - por duas razões.

A primeira, pelo gesto de mão com que o Movimento Zero se apresenta, o que o liga ao símbolo do White Power, movimento racista e extremista internacional. A mão com três dedos abertos mais o polegar junto ao indicador desenha as iniciais do White Power (Poder Branco). O "W" é protagonizada pelos três dedos estendidos - eis o White. E o redondinho da parte alta do "P" mais a haste (mão e punho) que o suporta fazem a letra inicial do Power... WP!

Porque tudo em que se mete o Ventura é dúbio. Entre doutores, faz teses libertárias; nos comícios, é grosso.

Do ponto de vista gráfico, faz lembrar a anedota dos adeptos dragões, de falar à Porto, a dobrar os dedos em B para celebrar mais uma "bitória". Mas essa é uma anedota inocente, que celebra um belo costume arreigado, a pronúncia tripeira. Em contraste com a anedota culpada dos adeptos do nacionalista André Ventura. Estes foram buscar um símbolo mau e arrevesado, quando tinham o nosso manguito, tão de protesto de cara aberta.

E porque escolheram, então, um símbolo que se confunde com o Poder Branco? Porque tudo em que se mete o Ventura é dúbio. Entre doutores, faz teses libertárias; nos comícios, é grosso. No discurso político, generaliza a corrupção; nos painéis clubistas, faz de conta que esse tema é virgem. Deputa como um manifestante; mas desce as escadas de São Bento com os lábios secos e olhares temerosos como se não estivesse entre apaniguados. Apadrinha o gesto do WP e sabe - ele sabe, André Ventura sabe que aquilo não quer dizer zero! - e insulta Felisberto Silva.

Lembro Felisberto Silva, de 25 anos, negro e agente da PSP, morto em 2002, em serviço, às portas do seu bairro natal, Cova da Moura. Há 17 anos, à porta da igreja da Buraca, vi centenas de agentes da PSP, muitos a chorar. Na manif desta semana, outros polícias como que gozaram com ele, fazendo o gesto do Movimento Zero: "Estás a ver, Felisberto: três dedos a fazer o White, dois dedos a fazer o Power, mais um em tua homenagem: faz seis! Como os seis tiros que levaste à queima-roupa." Policiavas, nobilíssima ação, mas, afinal, defendias o Poder Branco...

se as superexplosões cósmicas dos raios gama anunciadas nesta semana chegarem até cá, não há remédio, remediado está

E volto aos extraordinários raios gama, que é a segunda razão que me traz aqui. Há quase meio século vi o filme O Efeito dos Raios Gama no Comportamento das Margaridas. Por trás da câmara, Paul Newman perturbava-nos e lavava-nos a alma com uma história interpretada pela mulher da sua vida, Joanne Woodward. Ela fazia de Beatrice, viúva pobre e com duas filhas, que oscilava entre o desespero e a vontade de se safar. A publicidade apresentava o filme, assim: "A vida tem sido sacana para Beatrice. E vice-versa."

Beatrice, presa à cidadezinha de que não se conseguia livrar, era capaz do melhor e do pior, até com as duas filhas que amava. Ruth, a mais velha, era uma adolescente rebelde que no meio dos colegas gozava com a mãe - também ela anunciava um futuro amargurado. A mais pequena, Matilda, era gentil e no liceu escolheu como projeto de ciências estudar o efeito dos raios gama nas margaridas. As radiações destruíam e feriam as flores, algumas morriam.

A metáfora era evidente. Na década de 1970, a América de Nixon vivia sob o terror do azar atómico... "Meu Deus, não odeias o mundo, Matilda?", pergunta a mãe, no quase fim do filme. O fim é outro, de esperança: "Não, mamã. Não odeio o mundo", responde a filha. Ela sabia que às vezes as radiações transformavam as margaridas e levavam-nas a mostrar outras belezas. Mas, é claro, se as superexplosões cósmicas dos raios gama anunciadas nesta semana chegarem até cá, não há remédio, remediado está.

E isso leva-me a perguntas: são cósmicas as reivindicações dos polícias portugueses, António Costa? Se não são, porque estamos expostos ao perigo nesta semana revelado? Faço as perguntas porque não vi boa política do governo, neste assunto tão político.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?