Premium Portugal perde (naturalmente) título Europeu para a Espanha

Seleção do país vizinho venceu por 6-3. É uma tendência que se acentua, pois Portugal só venceu um grande torneio no século XXI. A Espanha vai em oito Europeus e sete Mundiais. O que se passa?

Portugal perdeu ontem a possibilidade de revalidar o título europeu de hóquei em patins, cujo campeonato foi realizado na Corunha, ao perder por 6-3 com a Espanha.

Há mais de 30 anos que a seleção nacional não consegue vencer um grande torneio da modalidade organizado pelo país vizinho, a última vez deu-se em 1987, em Oviedo, quando Portugal pôs um ponto final numa série de quatro títulos europeus consecutivos da Espanha.

E nem falamos de uma mera tradição, começa a haver uma tendência que tem vindo a acentuar-se. Na última década Portugal e Espanha defrontaram-se em 13 ocasiões e Portugal apenas venceu uma vez, tendo perdido dez encontros. Talvez seja altura de perceber porque isto se passa.

No encontro deste domingo Portugal entrou com peito e valentia e por isso marcou logo aos três minutos por Gonçalo Alves. A seleção de Luís Sénica mostrava-se confiante e impante. E nem os dois golos apontados pela Espanha até aos oito minutos fez Portugal baixar a qualidade do seu hóquei. Refira-se, como nota adicional, que o primeiro golo espanhol foi da autoria de Adroher, hoquista do Benfica, e o segundo de Ferrant Font, atleta do Sporting.

Até aos 22 minutos, altura em que Lamas fez o 3-1 e deu uma estocada importante nas aspirações portuguesas, a equipa das quinas fez tudo bem mas esbarrava sempre no mesmo problema, o poste. Foram cinco as bolas rematadas aos ferros por Portugal na primeira parte. Nunca assentou tão bem aquela máxima de que uns jogavam e outros marcavam.

Portugal passava da confiança ao desnorte e Henrique Magalhães travou-se de razões com Ferrant Font, dois colegas do mesmo clube, o Sporting. Incrível.

Eficácia espanhola

No segundo tempo pensou-se que um eventual golo podia fazer Portugal reentrar no jogo, mas a eficácia espanhola falou mais alto, como durante todo o jogo. Alabart aos 32' e o hoquista da Oliveirense Bargalló, aos 35' sentenciaram uma partida que começou com sinais contrários.

João Rodrigues, o melhor português nesta final, reforço do Barcelona e o artilheiro desta competição com 24 golos, marcou por duas vezes, respondendo ao sexto golo espanhol de Ferrant Font, maquilhando, de certa forma, o resultado final.

Quatro dos seis golos da Espanha foram apontados por hoquistas que evoluem em Portugal, o que é um belo cartão-de-visita do nosso campeonato, mas também deve ser um motivo para se perceber por que razão Portugal não vence um Mundial desde 2003 e apenas ganhou um Europeu no século XXI contra... oito da Espanha, que desde a viragem do milénio acumulou sete mtundiais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.