Uma maré de estrangeiros em Paris

Chamavam-lhes os "indesejáveis" e eram responsáveis pela "superpopulação de Paris". Assim descrevia o DN o mal estar causado pelos estrangeiros

"Paris sofre uma invasão quotidiana de estrangeiros", noticiava-se já em 1925, especificando que um terço daqueles que andavam pelos "grandes boulevards" eram estrangeiros e como isso incomodava os franceses residentes na capital.

"Há teatros em que se ouve apenas palmas inglesas, palcos ligeiros onde as representações são bilingues", descrevia o DN, acrescentando que Paris se transformara num "pandemónio de raças, de tipos, de idiomas". Uma situação que desagradava sobremaneira e que o DN via com clareza. "O parisiense não gosta do estrangeiro, embora lhe derreta os francos", criticava o jornal. E elencava as principais razões para o desagrado dos parisienses: "O estrangeiro não faz preços - aceita-os. E por isso o custo de vida aumenta tanto para o hóspede como para o habitante"; "a superpopulação de Paris não deixa um hotel vago, um quarto vazio..."

Detinha-se ainda o jornalista sobre um caso muito específico, o dos russos, que ali chegavam aproveitando a "extrema tolerância que as leis francesas dão a todos os emigrados". E depois de explicar que nenhum outro país europeu estava disposto a aceitar os rejeitados dos Balcãs, que acabavam por ir engrossar a população estrangeira em Paris, questionava: "O que fazer então? Repatriar os indesejáveis? Como, se o seu país de origem não os tolera?"

Problemas modernos com quase 100 anos...

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.