Uma maré de estrangeiros em Paris

Chamavam-lhes os "indesejáveis" e eram responsáveis pela "superpopulação de Paris". Assim descrevia o DN o mal estar causado pelos estrangeiros

"Paris sofre uma invasão quotidiana de estrangeiros", noticiava-se já em 1925, especificando que um terço daqueles que andavam pelos "grandes boulevards" eram estrangeiros e como isso incomodava os franceses residentes na capital.

"Há teatros em que se ouve apenas palmas inglesas, palcos ligeiros onde as representações são bilingues", descrevia o DN, acrescentando que Paris se transformara num "pandemónio de raças, de tipos, de idiomas". Uma situação que desagradava sobremaneira e que o DN via com clareza. "O parisiense não gosta do estrangeiro, embora lhe derreta os francos", criticava o jornal. E elencava as principais razões para o desagrado dos parisienses: "O estrangeiro não faz preços - aceita-os. E por isso o custo de vida aumenta tanto para o hóspede como para o habitante"; "a superpopulação de Paris não deixa um hotel vago, um quarto vazio..."

Detinha-se ainda o jornalista sobre um caso muito específico, o dos russos, que ali chegavam aproveitando a "extrema tolerância que as leis francesas dão a todos os emigrados". E depois de explicar que nenhum outro país europeu estava disposto a aceitar os rejeitados dos Balcãs, que acabavam por ir engrossar a população estrangeira em Paris, questionava: "O que fazer então? Repatriar os indesejáveis? Como, se o seu país de origem não os tolera?"

Problemas modernos com quase 100 anos...

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.