Premium As estreias da semana - os sotaques e a histeria francesa

Sucesso do ano em França, A Minha Família do Norte é uma paródia medíocre sobre choques culturais: os snobs de Paris vs. os espalha-brasas do norte. Dany Boon realiza e interpreta uma comédia mais terna do que divertida, a partir de amanhã nas salas.

Pastiche sobre um snobismo francês fabricado pelo mais amado dos comediantes do cinema francês, Danny Boon, que volta a dirigir uma comédia com o sotaque ch'ti, do norte de França, depois do muito razoável Bem-vindos ao Norte, que em França pulverizou todos os recordes em 2008. Não se trata então de uma sequela, mas sim de um aproveitamento do mesmo tema. Aliás, Boon é agora um designer de móveis que vive em Paris com vergonha extrema da sua família do norte, onde pontifica o orgulho do dialeto ch'ti, uma espécie de variante do sotaque português das beiras.

O golpe narrativo surge quando a sua família chega a Paris para celebrar o aniversário da mãe. O famoso designer assustado e com medo de que a opinião pública perceba as suas origens humildes acaba por ser atropelado e acorda com uma amnésia curiosa: só se lembra do seu passado ch'ti e nem da sua atual mulher snob tem alguma lembrança. Aos poucos, a amnésia torna-o um novo homem, capaz de mudar o seu relacionamento com os seus empregados e com a própria mulher.

A Minha Família do Norte, que nesta temporada já vendeu cerca de seis milhões de bilhetes em França, está feito para agradar aos fãs de Bem-Vindos ao Norte e usa e abusa da fórmula dos equívocos do sotaque nortenho. Uma comédia de uma só piada que peca por perder o efeito de novidade. Antes, Boon filmava uma certa ideia encantada de França, agora limita-se a repetir a mesma piada, mesmo quando não tem preconceitos em apelar a um certo sentimento clássico. Afinal de contas, é um olhar sobre a importância da família. De uma forma algo involuntária, acaba por ser um filme mais terno do que divertido - Boon tem uma ternura verdadeira pelas personagens ch'tie é pouco meigo para um imaginário francês afetado e snob, em que as boas maneiras são trocadas por uma frieza supostamente cool.

Obviamente, quem não é francês perde muito das nuances fonéticas, mas o que é triste é que o humor de Boon está menos subtil e a roçar muitas vezes o histerismo, característica quase obrigatória para uma comédia de grande público em França. E veja-se como é boçal a personagem do sogro do herói, um cretino sem qualquer carisma, pese embora o profissionalismo sempre digno de um ator como François Berléand ou o registo embrutecido como é apresentada a personagem do pai sucateiro (e aí Pierre Richard está em excesso técnico permanente). Às duas por três, o guião limita-se a esticar a situação muito déjà vu de uma personagem que se esqueceu de tudo e que ganha uma segunda oportunidade para endireitar a sua vida e a dos outros.

La Ch'tite Familie tem uma conclusão demasiado sentimental, para não dizer sentimentalona. Dani Boon esquece-se de nos fazer rir e parece preferir usar técnicas abusivas para comover. Dizemos apenas que pôr uma mãe octogenária de olhos a tremer e música de embalar é mais do que um golpe baixo. A ternura tirou o tapete ao gague e Boon prefere antes comover. Não é por acaso que é no final, com os tradicionais planos cortados, os bloopers, que nos rimos mais. Os atores em modo de engano têm mais piada do que uma intriga sem rasgos, sem golpes.

De realçar a intenção de Boon em dedicar o filme ao seu amigo Johnny Hallyday, que teve o seu grande adeus durante a rodagem.

2 estrelas

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.