Premium As estreias da semana - Franceses entre comédia e policial

Meg - Tubarão Gigante é um grande peixe e um... pequeno filme. O grande acontecimento cinematográfico continua a ser a reposição de clássicos franceses.

O título mais promovido da semana, Meg - Tubarão Gigante, de Jon Turteltaub, é uma tentativa esforçada de reencontrar as emoções do clássico Tubarão (1975), de Steven Spielberg. O protagonista, Jason Statham, bem se esforça para emprestar alguma emoção aos eventos, mas não é fácil superar os lugares-comuns de um argumento de quinta ordem, esquemático e previsível, ainda por cima servido por efeitos especiais que nem sequer fazem justiça aos poderes tecnológicos da grande indústria.

Entretanto, quem se recorda de Bem-Vindo ao Norte (2008), com Dany Boon, na tripla condição de ator, argumentista e realizador, a fazer uma divertida caricatura sobre as diferenças culturais no interior da França? Pois bem, ele está de volta com uma proposta de sequela, A Minha Família do Norte - para avaliarmos, pelo menos, se a tradição da comédia francesa ainda é o que era.

Seja como for, os destaques da semana voltam a ser os clássicos. Franceses, precisamente. Desta vez, incluindo um filme fulcral na definição dos alicerces de todo o cinema moderno: O Carteirista (1959), de Robert Bresson, história de um homem que rouba os outros, porventura roubando a sua própria solidão. É uma aventura intimista e fascinante que Bresson encena através de uma visão com tanto de metódico como de austero, afinal concretizando um pensamento artístico que viria a sistematizar, em 1975, nesse livrinho admirável que é Notas sobre o Cinematógrafo (Porto Editora, 2003). Vale a pena descobrir esta breve entrevista televisiva de Bresson, em 1960, por ocasião da estreia de O Carteirista (legendas em inglês).

A partir de quinta-feira, vai ser possível também ver ou rever outro título lendário: O Testamento de Orfeu (1960), de Jean Cocteau. E não deixa de ser curioso lembrar que, não poucas vezes, tendemos a olhar para o seu trabalho cinematográfico como um "acidente" no interior de um universo definido, sobretudo, através de desenho, poesia e teatro. Na verdade, para além das singularidades da filmografia de Cocteau - lembremos apenas a sua sublime versão de A Bela e o Monstro (1946) -, há nela um estranho intimismo que, em última análise, é de natureza autobiográfica. E na sua viagem delirante pelas evidências e mistérios da experiência, O Testamento de Orfeu é o mais autobiográfico dos filmes.

Enfim, não esqueçamos O Meu Pai Tinha Razão (1936), comédia dramática, ou drama cómico, de Sacha Guitry, e ainda O Último Golpe (1954), de Jacques Becker, este uma referência nuclear na história do policial "à la française" (aqui em baixo: trailer original). Além do mais, O Último Golpe distingue-se por um elenco dominado por grandes nomes da produção francesa da época, incluindo Jean Gabin, René Dary, Dora Doll e uma quase principiante, talentosa e enigmática, de seu nome Jeanne Moreau.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.