"Se desconfiassem do nosso peso íamos à balança"

Há 40 anos, trabalhar na aviação era uma uma profissão com glamour e muitas regalias. Amália Valadares, que deixou a TAP em 2001, recorda esses tempos e as exigências que tinham de cumprir.

Amália Valadares voou 38 anos, sempre na TAP. Recorda esses tempos como altura de um glamour que "agora já não há". "Foi assistente de bordo e quando saí era supervisora de cabina", explicou ao DN falando de uma carreira em que assistiu ao desenvolvimento da empresa de aviação portuguesa. "Entrei na altura em que chegaram os aviões a jato, como o Caravelle [em 1962]. E não tinha nada que ver com a situação atual. Foram-se perdendo regalias e o próprio transporte também se alterou. No meu tempo só voava quem tivesses posses, agora já não é assim", recorda.

Também as compensações dadas aos tripulantes são agora diferentes, principalmente nas companhias low-cost. "Tínhamos benesses de que hoje nem se fala. Na altura quando fazíamos voos intercontinentais em que existiam fusos horários de três ou quatro horas não podíamos voar no dia seguinte, tínhamos de ter duas pernoitas para compensar o desgaste. Agora não é assim", conta Amália.

"Hoje é muito difícil as pessoas terem boas condições de trabalho, principalmente nas low-cost", reconhece, principalmente quando se compara com as obrigações das empresas de aviação. "Agora só se pensa na parte comercial."

"Nós tínhamos todas as regalias, 13.º e 14.º meses, subsídio de refeição, recebíamos um subsídio para manter a farda impecável, para a mandar lavar no hotel", frisa.

A questão do uniforme remete para as obrigações que existiam na altura em que Amália voava. "A forma como nos apresentávamos era muito controlada. Quando chegávamos aos briefings viam se os lábios estavam pintados, o tamanho da saia, o comprimento do cabelo. Se desconfiavam do nosso peso pediam para irmos a uma balança", acrescenta.

Um controlo que "hoje já não existe", diz. No tempo em que voava - Amália saiu da empresa em 2001, com 57 anos - havia também um controlo à qualidade do trabalho a bordo: "Iam pessoas da empresa no avião como passageiros, analisavam o nosso trabalho e depois faziam relatórios para as relações públicas. Se houvesse problemas a pessoa era chamada para dar explicações."

"Deixou de ser uma profissão de glamour [tripulante de cabina] para ser um emprego banal. Não há termo de comparação com a aviação dos anos 1960/1970 do século passado", conclui.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.