O Estado e a família

Lembro-me da primeira vez que me disseram que eu não defendia os valores da família, que os relativizava no meu liberalismo. Lembro-me do dia, do sol que nos cegava. Lembro-me da roupa que vestia, calças verdes e uma T-shirt estupidamente larga, alaranjada. Lembro-me de quem o disse, do dedo espetado, acusador. Lembro-me dos aplausos, do coro. Lembro-me disso tudo e por isso tudo me lembro de ter procurado um sítio para ficar sem que ninguém me visse, sem reagir.

Não foi a sobranceria, o desafio de quem se sente intérprete da virtude, que mais me magoou. Não foi a falta de caridade de quem me quis expor, denunciar. Não foi sequer a ignorância, insidiosa, na acusação. De alguma forma, sempre me preparei para isso, como um pressentimento. O que mais me magoou foi a sensação de amputação, como se os aplausos quisessem, pudessem, arrancar a mais importante parte de mim, reduzindo-me a nada, a vir de nada.

De repente, para aquelas pessoas, a devoção pelo meu avô, que durou até ao último dia e persiste hoje, não existia, ou não merecia ser chamada de família; assim como não existia a minha irmã, de quem a vida me fez tutor e com quem aprendi, falhando, a ser pai e a dar de mim; nem existia a saudade da minha mãe, o otimismo do meu pai, não existia ninguém, nem as minhas avós, uma a puxar-me para o PS, outra para o CDS, nem havia espaço para as minhas irmãs: nada disto servia, não correspondia ao cânone.

O que mais me magoou foi a vontade de me desapossarem daquilo que eu era: porque tudo aquilo que sou devo à família, aos desafios e problemas que superámos, aos valores que aprendemos. E nesse caminho, nesse eu, no amor que dou e recebo, na devoção que guardo, nas lições que ponho em prática e que defenderei até ao fim dos meus dias, nunca me tinha ocorrido, até esse dia, que haveria quem, por maldade, ignorância, estivesse disposto a não reconhecer nessa defesa, a defesa da família, excluindo-me.

Foi a primeira vez que ouvi a acusação, mas não a última. Ouvi-a muitas vezes e todas foram demais, fechando, monopolizando, com vocação excludente, judiciosa, o conceito de família; como se a família fosse uma forma e não, como sempre a entendi e senti, a mais importante, básica, célula social - a primeira rede de solidariedade e amor, espaço privilegiado, primeiro, radical, de realização de aspirações não materiais, da nossa formação como pessoas.

A defesa da família, em políticas públicas, assenta no intransigente princípio de que esta antecede o Estado e de que este não se lhe deve sobrepor, antes limitar-se em função dela - um princípio que se declina em políticas que sempre defendi: que não desincentivem a natalidade, que não façam do Estado um obstáculo ao desenvolvimento de cada um, que defendam a liberdade de escolha, que protejam a liberdade religiosa, que confiram a possibilidade de cada família poder crescer e desenvolver-se como entender, que não a obriguem a professar valores de que discorda, que não lhe retirem liberdades, que a deixem tornar-se no que quer ser, que lhe permitam tentar e tentar e tentar ser feliz sem interferências. Estive em todos esses combates, e estarei, porque há gente, dos dois lados, que não concorda com nada disto.

Nunca fiz nem farei da minha família tema político e nunca a julguei superior; em rigor, abomino a política feita de julgamentos, na imposição, por lei, a todos e a qualquer um, da vontade de quem se julga predestinado, iluminado, com poder de julgar, intérprete autêntico de valores transcendentais, escolhendo e excluindo como se lhe coubesse fazê-lo.

Nunca andei com a família na boca, não; talvez porque a prefira guardar noutra melhor parte de mim, e defendê-la-ei até ao fim.

Advogado e vice-presidente do CDS

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.