Premium O 4x3x3 com os mais caros de sempre em cada posição

O Liverpool vai bater o recorde de transferências de um guarda-redes, com a aquisição do brasileiro Alisson à Roma por 75 milhões de euros. Lugar a lugar, saiba qual é o 4x3x3 que envolveu recordes de transferências.

O mercado de transferências está louco e nos últimos dois anos bateram-se todos os recordes de transferências, desde o guarda-redes ao avançado mais caro de sempre. Para que todas as posições estejam representadas, apresentamos o 4x3x3 que custou mais dinheiro, segundo o portal Transfermarkt.

Neste onze, os clubes da liga inglesa são os mais representados, mas também há espaço para o Barcelona, o Paris Saint-Germain e, claro, para a Juventus de Cristiano Ronaldo.

Alisson Becker

Posição: Guarda-redes

Aos 25 anos torna-se o guarda-redes mais caro da história, com o Liverpool a pagar 75 milhões de euros. Deixa a Roma, após uma temporada fantástica a todos os níveis, e reforça o clube inglês, carente de um guarda-redes de grande nível como se percebeu na final da Liga dos Campeões, com o alemão Karius em evidência. A Roma vê a sua aposta ser compensada, depois de ter contratado Alisson há dois anos por oito milhões de euros.

Kyle Walker

Posição: Lateral direito

Transferiu-se, com 27 anos, no verão passado, do Tottenham para o Manchester City por um valor recorde na sua posição - 52,7 milhões de euros. O inglês foi um dos indiscutíveis de Guardiola, justificando, por completo, o investimento feito. No Mundial foi terceiro central, descaído para o lado direito, deixando a sua posição para o antigo colega de equipa Trippier.

Virgil van Dijk

Posição: Defesa central

Foi a transferência-sensação de janeiro passado quando o Liverpool, uma vez mais, surpreendeu tudo e todos ao bater 78,8 milhões de euros pelo holandês que evoluía, na altura com 26 anos, no Southampton. Desde 2013 que está no futebol britânico. A porta de entrada foi o Celtic, depois rumou ao Southampton, onde fez dupla com José Fonte, e, finalmente, o Liverpool.

Aymeric Laporte

Posição: Defesa central

Mais um recorde de posição, protagonizado pelo Manchester City de Guardiola por um jogador com 23 anos quando assinou pelo campeão inglês. E de novo em janeiro, tal como Van Dijk. O Athletic Bilbau encaixou 65 milhões de euros com um futebolista de enorme potencial mas que ainda não foi, por exemplo, internacional A na seleção francesa, pela qual já tem mais de 50 chamadas nas camadas jovens. Desde janeiro fez apenas 13 encontros pelo Manchester City, percebe-se que ainda está numa fase de aprendizagem a um clube que joga sempre para ganhar e a um campeonato diferente.

Benjamin Mendy

Posição: Lateral esquerdo

Para não variar mais um recorde de posição protagonizado pelo Manchester City de Guardiola e por um francês, no caso Mendy, contratado, com 23 anos, ao Mónaco de Leonardo Jardim por 57,5 milhões de euros. Uma lesão grave levou-o a uma paragem de setembro de 2017 a abril de 2018. Perdeu praticamente a época toda e ainda o lugar de titular na seleção francesa no Mundial da Rússia. Com menos influência do que o esperado foi, mesmo assim, campeão inglês e campeão do mundo. Tem nos próximos anos tempo para justificar o valor investido na sua contratação.

Jorginho

Posição: Médio defensivo

Nasceu em Imbituba, no Brasil, mas é oito vezes internacional italiano. Rumou muito novo a Itália, onde se fez futebolista, tendo explodido ao serviço do Nápoles de Maurizio Sarri. Aos 26 anos acompanha o treinador no Chelsea, que pagou a maior soma jamais investida num médio defensivo - 57 milhões de euros. É pouco mediático mas de uma eficácia a toda a prova. Veremos como se adapta à Premier League.

Paul Pogba

Posição: Médio centro

Regressou há um ano a Old Trafford. Saiu em 2012, a custo zero, com 19 anos para a Juventus. Voltou aos 24, por desejo de José Mourinho, mas para isso o emblema britânico teve de bater o recorde de transferências - 105 milhões de euros. E o mais curioso é que já se fala outra vez na sua possível saída, visto que a relação entre o médio campeão mundial e o técnico português já conheceu melhores dias.

Philippe Coutinho

Posição: Médio ofensivo

É o primeiro desta lista não contratado por um clube inglês. Pelo contrário foi vendido pelo Liverpool ao Barcelona, que precisava, há um ano, de responder à saída de Neymar. Demorou seis meses por intransigência do clube da cidade dos Beatles, mas mudou-se mesmo para a cidade condal para jogar na posição de médio ofensivo, ainda a tempo de fazer dez golos em 22 encontros. Esta boa forma teve sequência em solo russo, mas foi desaproveitada pela seleção brasileira.

Kylian Mbappé

Posição: Extremo-direito

É o jogador do momento e já um sério candidato à Bola de Ouro. No lado direito do ataque tem feito estragos e mais estragos, no Paris Saint-Germain e na seleção francesa. Há um ano, o campeão francês conseguiu resgatá-lo ao Mónaco de Leonardo Jardim, o responsável pela aposta no seu talento e também pela sua evolução. Primeiro esteve emprestado com cláusula de compra obrigatória acionada neste verão e que levou o clube do principado a encaixar 135 milhões de euros. Aos 19 anos é já campeão mundial e tem o mundo a seus pés.

Cristiano Ronaldo

Posição: Avançado centro

O madeirense protagoniza as duas maiores transferências de um avançado centro. 94 milhões de euros em 2009, com 24 anos, 117 milhões de euros aos 33 anos. A Juventus contrata uma máquina de fazer golos e um garante de muitos títulos - campeão europeu nos últimos três anos. Imagine-se o que seria o capitão da seleção nacional ladeado por Mbappé e Neymar numa equipa de futebol. Seria, porventura, o mais parecido com os Globetrotters do futebol.

Neymar

Posição: Extremo-esquerdo

Tal como Ronaldo lidera as duas transferências mais caras na sua posição - extremo-esquerdo. Aliás, o recorde absoluto de transferência é de Neymar, com o Paris Saint-Germain a pagar a cláusula de rescisão ao Barcelona - 222 milhões de euros. Veremos se fica por França após uma primeira época salpicada com problemas de balneário e uma lesão que, por pouco, não o deixava fora do Mundial da Rússia.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.