Não adoto este silêncio...  

Mas o Parlamento decidiu adotá-lo na passada quarta-feira. O Partido Socialista, o Bloco de Esquerda e o Partido Comunista Português, para ser mais rigorosa. Decidiram estes partidos adotar o silêncio, chumbar a comissão parlamentar proposta pelo PSD (e a proposta pelo CDS-PP), afastando-se do escandaloso caso das supostas adoções ilegais que ocorreram na IURD.

Nos últimos meses, e em resultado de uma investigação feita por um órgão de comunicação social, fomos tendo conhecimento de várias suspeições de grande gravidade em torno de supostas adoções ilegais forjadas na IURD.

Relatos de filhos retirados dos pais biológicos sem que estes tivessem sido ouvidos em tribunal. Relatos de um lar ilegal onde os pais confiavam os seus filhos encaminhados pela Segurança Social. Relatos de relatórios falsos que suportaram decisões da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. Entre muitos outros. São relatos suficientemente graves para que qualquer cidadão queira cabais esclarecimentos sobre o assunto de forma a continuarmos a confiar na forma como atua o Estado, como funciona o sistema de promoção e proteção de menores, como opera a justiça e, já agora, como está o regime. Daí que tenha, no dia em que fui eleita presidente da JSD, alertado para a importância de ser criada uma comissão parlamentar sobre este assunto.

No dia 29 de janeiro deste ano, foi apresentada no Parlamento a petição "Não adoto este silêncio - Adoções ilegais da IURD e abertura de uma comissão de inquérito". A petição, subscrita por 5787 cidadãos, pedia o envolvimento da Assembleia da República, na sequência das alegadas graves situações de adoções ilegais forjadas na IURD, casos de grave desrespeito pela Constituição e pela lei. Na tramitação da petição "Não adoto este silêncio" foram ouvidas várias pessoas que trouxeram ao conhecimento dos deputados não só ilegalidades cometidas no passado como práticas incorretas e ilegítimas por parte de entidades públicas no presente. Tudo isto tem de ser esclarecido. Quem não deve não teme, doa a quem doer.

Importa saber o que se passou efetivamente, mesmo que esta verdade já tenha 20 anos. Merece ser apurada até ao mais ínfimo detalhe. Até porque não se trata aqui de interferir em processos penais que estão em curso, mas sim da responsabilidade do Parlamento enquanto órgão fiscalizador da administração pública e do seu papel enquanto órgão legislativo, respondendo a essas situações que merecem correções legislativas.

Como é que a Assembleia da República poderia ficar indiferente ao conteúdo de uma petição desta natureza?

E mais. Das audições realizadas ficaram várias suspeições sobre procedimentos e práticas atuais que apontam para a continuação de falhas no respeito dos direitos fundamentais, designadamente, de crianças e progenitores.

Posto isto, e sabendo de tudo o que tem vindo a público na imprensa e nas audições realizadas no Parlamento, como é possível fechar os olhos à descoberta da verdade? Como é possível fechar os olhos a violações grosseiras dos direitos de crianças e progenitores ocorridas no passado? Como é possível fechar os olhos à eventual perpetuação destas situações à data de hoje? Não adoto este silêncio.

Presidente da JSD

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.