Premium Próxima empresa a mudar os exames médicos: o Facebook?

A ideia pode parecer descabida, mas tudo muda quando se fala em inteligência artificial neste contexto - algo que o Facebook desenvolve. Um dos projetos da empresa está a trabalhar com investigadores para mudar a forma como os exames médicos de diagnóstico são feitos.

Hoje em dia, para ter acesso a uma ressonância magnética é preciso esperar algum tempo, mais ou menos uma hora, e isto é num caso positivo. As máquinas são caras, precisam de ser operadas por um especialista e há um número limite de exames que são possíveis de realizar no mesmo dia. Tudo para que os médicos possam ver o estado de órgãos, tecidos e ossos dos pacientes.

Mas e se for a maior rede social do mundo a conseguir mudar a forma como estes exames são feitos? Um conjunto de cientistas do Facebook está a pensar em como é possível alterar este tempo de espera, recorrendo à inteligência artificial, conta a CNN. A ideia passa por treinar um algoritmo que possa acelerar o processo de diagnóstico, sendo alimentado por mais de dez mil exames de ressonância magnética, fornecidos pela Universidade de Nova Iorque.

À partida, a base de dados anónima de dez mil exames pode parecer algo diminuta. No entanto, este apanhado de exames fornecerá mais de três milhões de imagens do corpo humano ao algoritmo.

Este modelo funcionará como uma forma de ensinar as máquinas de diagnóstico a reconhecer alguns pormenores dos exames, recorrendo a aprendizagem automática, e fazendo quase um processo de completar "espaços". No final do dia, aquilo que o Facebook espera desenvolver é o conhecimento para que a própria máquina consiga recriar uma parte da imagem, poupando tempo de exame.

Segundo explica Daniel Sodickson, da Universidade de Medicina de Nova Iorque, à CNNMoney, o objetivo final será o de "fazer um exame em cinco minutos, vai ser uma verdadeira mudança no jogo".

A visão é otimista, mas claro que há desafios nesta equação. Um dos principais? Como é que se ensina inteligência artificial a conseguir reconhecer na perfeição uma rutura nos ligamentos, por exemplo?

Por enquanto, o Facebook e a universidade estão em estreita colaboração para conseguir desenvolver a base da pesquisa. Segundo Larry Zitnick, responsável de pesquisa de inteligência artificial do Facebook, a ideia passará também por divulgar as conclusões da investigação a outras entidades, para que o projeto possa ganhar outras dimensões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.