Premium Próxima empresa a mudar os exames médicos: o Facebook?

A ideia pode parecer descabida, mas tudo muda quando se fala em inteligência artificial neste contexto - algo que o Facebook desenvolve. Um dos projetos da empresa está a trabalhar com investigadores para mudar a forma como os exames médicos de diagnóstico são feitos.

Hoje em dia, para ter acesso a uma ressonância magnética é preciso esperar algum tempo, mais ou menos uma hora, e isto é num caso positivo. As máquinas são caras, precisam de ser operadas por um especialista e há um número limite de exames que são possíveis de realizar no mesmo dia. Tudo para que os médicos possam ver o estado de órgãos, tecidos e ossos dos pacientes.

Mas e se for a maior rede social do mundo a conseguir mudar a forma como estes exames são feitos? Um conjunto de cientistas do Facebook está a pensar em como é possível alterar este tempo de espera, recorrendo à inteligência artificial, conta a CNN. A ideia passa por treinar um algoritmo que possa acelerar o processo de diagnóstico, sendo alimentado por mais de dez mil exames de ressonância magnética, fornecidos pela Universidade de Nova Iorque.

À partida, a base de dados anónima de dez mil exames pode parecer algo diminuta. No entanto, este apanhado de exames fornecerá mais de três milhões de imagens do corpo humano ao algoritmo.

Este modelo funcionará como uma forma de ensinar as máquinas de diagnóstico a reconhecer alguns pormenores dos exames, recorrendo a aprendizagem automática, e fazendo quase um processo de completar "espaços". No final do dia, aquilo que o Facebook espera desenvolver é o conhecimento para que a própria máquina consiga recriar uma parte da imagem, poupando tempo de exame.

Segundo explica Daniel Sodickson, da Universidade de Medicina de Nova Iorque, à CNNMoney, o objetivo final será o de "fazer um exame em cinco minutos, vai ser uma verdadeira mudança no jogo".

A visão é otimista, mas claro que há desafios nesta equação. Um dos principais? Como é que se ensina inteligência artificial a conseguir reconhecer na perfeição uma rutura nos ligamentos, por exemplo?

Por enquanto, o Facebook e a universidade estão em estreita colaboração para conseguir desenvolver a base da pesquisa. Segundo Larry Zitnick, responsável de pesquisa de inteligência artificial do Facebook, a ideia passará também por divulgar as conclusões da investigação a outras entidades, para que o projeto possa ganhar outras dimensões.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.