Premium A segunda vida do miúdo tímido do Casal da Mira

O central português Rúben Semedo assinou pelo Huesca, da I Liga espanhola, uma semana depois de sair em liberdade. Quem o viu crescer conta ao DN como o futebol o salvou e lhe pode dar uma nova oportunidade. Ginásio, dieta e rotina de treino ajudaram-no a manter a forma nos cinco meses em que esteve preso.

Rúben Semedo foi apresentado nesta sexta-feira como reforço do Huesca, equipa que esta época subiu à I Liga espanhola. Uma semana depois de sair da prisão, o defesa central português encontrou um clube disposto a dar-lhe uma oportunidade. "Vão ver uma versão melhor do Rúben Semedo", prometeu o jogador de 24 anos, agradecendo "a confiança" que o clube, que lutará pela permanência, depositou nele.

O diretor desportivo do Huesca desfez-se em elogios ao português, "um central contundente, bom no jogo aéreo e que sai bem com a bola". Emilio Vega agradeceu a Semedo por ter aceitado jogar no clube da província de Aragão: "Ao nível do trato pessoal, descobrimos um miúdo jovem, tímido, que chegou aqui com muita 'fome'. Aqui sabe que será feliz porque todos faremos o possível para que assim seja e para que tenha um rendimento excecional."

Semedo esteve detido desde 19 de fevereiro último, por suspeitas de ter, juntamente com outras duas pessoas, sequestrado um homem, a quem, sob ameaça com uma pistola, retiraram as chaves do apartamento, de onde alegadamente furtaram dinheiro e objetos.

Veja aqui o discurso de apresentação.

E se depender do defesa ex-Sporting, o rendimento estará garantido, visto que o jogador tratou de manter a forma nos cinco meses em que esteve preso. A partir de uma certa altura e depois de ver a liberdade condicional negada pelo juiz, o advogado português Bebiano Gomes pediu para que Rúben Semedo mudasse para uma ala mais calma da penitenciária de Picassent, alegando que o jogador precisava de ter condições para continuar a recuperar da lesão e treinar.

A ideia que passa é que o central nunca baixou os braços e pensou desistir do futebol. Para não descurar a forma física, tendo em conta que pretendia voltar ao relvados, começou a ir ao ginásio da prisão duas ou mais vezes por dia, a ter acesso a comida mais nutritiva, seguindo uma dieta, e a cumprir horários como se estivesse a cumprir a pré-época. Além disso passou a ter acesso livre à biblioteca e aos domingos descansava e podia receber visitas.

Esta foi a rotina do internacional português durante quase cinco meses, até o juiz aceitar fixar uma caução para sair em liberdade condicional (30 mil euros) e o jogador pagar. O que aconteceu no passado dia 13.

Assim que saiu em liberdade condicional, o central não escondeu o sorriso ao lado da filha. E sem perder o ritmo de treino. A primeira fotografia partilhada foi no ginásio, a recuperar a forma física, na companhia da filha, que levou depois a um parque de diversões. Aos poucos, Rúben Semedo voltou à vida normal e, apesar de ter o vínculo contratual suspenso com o Villarreal, viu o clube reverter a suspensão e emprestá-lo ao Huesca.

Da infância no Casal da Mira ao Fofó

Rúben cresceu no bairro social do Casal da Mira (Amadora). Aos 5 anos viu o pai, um imigrante de Cabo Verde já separado da mãe, ser preso. A mãe saía de casa de madrugada para trabalhar e sustentar a família. E Rúben passava muito tempo na rua, a maior parte do tempo a jogar à bola. Aos 14 anos começou a levar o futebol mais a sério, quando passou a representar o Futebol Benfica (Fofó).

Quem o viu crescer no clube da zona de Benfica sabia dos perigos que corria em se desviar do caminho, mas sempre acreditou "no bom fundo" de Rúben. Caso de Domingos Estanislau: "Espero que isto [prisão] não dê em nada, que o futebol o volte a salvar e que não o transforme em mais um bandido, porque tinha e tem todas as condições para vingar no futebol."

O ainda presidente do Fofó foi surpreendido com as notícias da prisão do jogador. "Nunca me pareceu que fosse capaz de cometer os atos de que é acusado. Ele veio de um bairro complicado, e por isso é natural que por vezes tenha resolvido as coisas com um murro ou uma zaragata, mas não mais do que isso. Nem toda a gente que mora em bairros sociais são pessoas más, isso existe em todo o lado", defendeu.

Estanislau já tentou falar com o seu menino, mas não conseguiu: "Ele tem ordens para não falar com ninguém e eu entendo, ele precisa de paz e tranquilidade. Mandei-lhe uma mensagem a dar força e a lembrar que só tem de seguir os três conselhos base: trabalho, disciplina e respeitar tudo aquilo que o treinador transmitir."

Do Fofó para o Sporting

Foi em 2009 que Rúben Semedo se mudou para os juvenis do Sporting juntamente com Gelson Martins, o seu melhor amigo. "Foram dois excelentes miúdos que passaram pelo Fofó e que eram de facto grandes jogadores. Cada um rendeu mais de 30 mil euros. O Rúben era muito mais conversador e atrevido, no bom sentido. Contava piadas mas sempre o vi como um bom exemplo e, aliás, era frequente ele vir às nossas instalações para falar aos miúdos da formação. Nunca se mostrou superior nem recusou um autógrafo", revelou Estanislau.

A passagem pelo Sporting ficou marcada por alguns casos - foi apanhado a conduzir sem carta de condução e tentou agredir um colega de equipa -, ao ponto de a saída de Alvalade ser a solução. O destino acabou por ser o Villarreal, da I Liga espanhola, no início da época, num negócio que rendeu aos cofres do Sporting 14 milhões de euros.

Não se assumiu como titular, sofreu duas lesões com alguma gravidade e foi durante a recuperação que protagonizou dois incidentes em bares de Valência, no final de 2017, que fizeram o seu nome aparecer nos jornais pelos piores motivos. E como diz o povo, não há duas sem três e, à terceira, o português foi mesmo detido pela polícia espanhola e acusado de crimes graves como agressão, sequestro e roubo. Ouvido pelo juiz ficou em prisão preventiva, por perigo de fuga e continuidade de atividade criminosa. Saiu na semana passada depois de cinco meses detido, mediante o pagamento de uma fiança no valor de 30 mil euros.

Uma semana depois assinou pelo Huesca, um clube habituado a dar segundas oportunidades, segundo o diretor desportivo Emilio Vega.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".