"A CPLP no diálogo entre a Europa e o mundo"

O ministro dos Negócios Estrangeiros português escreve sobre o encontro dos países de expressão portuguesa que decorreu nesta semana, em Cabo Verde.

A Cimeira de Santa Maria, ilha do Sal, que marcou o início da presidência cabo-verdiana da CPLP, admitiu mais nove observadores associados - oito países e uma organização internacional. Podemos perguntar-nos sobre o que levou a França, o Reino Unido, a Itália, o Luxemburgo, Andorra, a Sérvia, o Chile e a Argentina, além da Organização dos Estados Ibero-Americanos para a Educação, Ciência e Cultura (OEI), a pedir esse estatuto. A resposta óbvia é que encontram nisso interesse e utilidade. Pode parecer estranho num ambiente mediático, como o português, tão marcado por criticismo e indiferença face à CPLP, mas é verdade pura que esta suscita, em quatro continentes, atenção e vontade de estabelecer parcerias. Os países agora acolhidos fizeram-se representar, na cimeira, através dos embaixadores acreditados em Lisboa - outro elemento que uma apreciação analítica deveria destacar.

Doravante, a CPLP conta com 19 observadores associados, mais do dobro dos membros efetivos. Uma outra organização baseada nas línguas - a OEI, envolvendo países que falam as línguas ibéricas na Europa e na América Latina; sabendo-se ainda da aproximação da Organização Internacional da Francofonia. E países vizinhos do Brasil, como o Uruguai, a Argentina e o Chile (futuramente, o Peru); vizinhos dos países africanos de língua portuguesa (PALOP), como a Namíbia ou o Senegal; assim como vários países europeus (dentro e fora da União Europeia) e o Japão.

Isto significa que as características que singularizam a CPLP - nove Estados marítimos com diversas inserções regionais, partilhando uma língua em forte expansão demográfica e cultural - são tidas em conta em múltiplas políticas externas. Acresce, outro dado de relevo, que entre os novos observadores associados se encontram países com fortes comunidades portuguesas, como a França, o Reino Unido e o Luxemburgo.

Não quero secundarizar a dinâmica interna da CPLP, igualmente promissora. Em Santa Maria, as delegações de oito Estados membros foram lideradas por chefes de Estado e/ou Ggoverno. Há muito tempo que não sucedia tal demonstração do valor da comunidade como plataforma de diálogo e concertação política. São também hoje mais evidentes as vantagens da reunião de esforços para a promoção da língua, designadamente no sistema da Nações Unidas. Veja-se o impacto das celebrações do Dia da Língua, no passado 5 de maio, em Nova Iorque. E, quanto à cooperação, o lema da presidência cabo-verdiana - "As pessoas, a cultura, os oceanos" - articula bem o traço identitário fundamental (a cultura), o objetivo que melhor interliga a ação global dos membros (os oceanos) e o plano em que mais longe se pode levar o enraizamento social da organização (as pessoas).

Cabe referir, neste plano, o tema da mobilidade. Em 2017, Portugal e Cabo Verde apresentaram a proposta conjunta para a criação de um regime de autorizações de residência válido para todos os países da CPLP e fundado no critério da nacionalidade. Este regime pressupõe o reconhecimento recíproco de habilitações académicas e qualificações profissionais e a portabilidade dos direitos sociais.

Na sua simplicidade e radicalidade, ele transformará a CPLP num verdadeiro espaço de cidadania. A proposta vem fazendo caminho, política e tecnicamente. A Declaração de Santa Maria renova a sua centralidade; e sugere uma via intermédia de concretização, começando pela mobilidade académica e cultural. Confio que, daqui até ao fim de 2020, a combinação das iniciativas da atual e do próximo secretário executivo e das presidências de Cabo Verde e Angola possa gerar avanços efetivos e visíveis.

A CPLP ajuda ao diálogo da Europa com o Atlântico Sul, vital para a segurança das rotas comerciais, do abastecimento energético e do ambiente geoestratégico da União Europeia

Mas quero insistir num ponto que passa demasiadas vezes despercebido e que, todavia, o aumento dos observadores associados mostra bem: a importância da CPLP, como um todo, e/ou de vários dos países cuja influência ela potencia, para o relacionamento entre a Europa e outras regiões do mundo. A CPLP ajuda ao diálogo da Europa com o Atlântico Sul, vital para a segurança das rotas comerciais, do abastecimento energético e do ambiente geoestratégico da União Europeia (UE). A CPLP ajuda ao diálogo da Europa com a América Latina, por via naturalmente do Brasil, mas também dos agora três observadores associados de língua espanhola e ainda da cooperação entre os espaços lusófono e ibero-americano, que se projetará no próximo futuro. A CPLP ajuda ao diálogo da Europa com a Ásia, por causa de Timor-Leste, por intermédio da cooperação japonesa, tão útil em África, e através da cooperação triangular entre a China, Portugal e os PALOP. A CPLP ajuda, e de modo particularmente relevante, ao relacionamento da UE com toda a África.

De facto, para ser com o continente inteiro, a parceria europeia não pode ficar-se pelo norte de África, o Sahel ou o Corno de África. Tem de intensificar-se também com a África Ocidental e, sobremaneira, com a África Central e Austral - para o que a relação com a CPLP é muito instrumental. Percebe-se, por isso, que sejam já hoje sete os Estados membros da UE que são ao mesmo tempo observadores associados da CPLP.

Portugal deverá percebê-lo melhor do que ninguém e agir em consequência.

Ministro dos Negócios Estrangeiros

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.