Premium Extinção da Empordef assentou em "argumentos falsos e mentiras"

Presidente da holding pública da Defesa garante existir valor que "ultrapassa largamente" a dívida de 209 milhões de euros herdada dos Estaleiros de Viana do Castelo.

A decisão de extinguir a Empordef foi formalizada em 2014, através de uma resolução assinada por Paulo Portas. Mas o atual presidente da holding assegura ao DN que o fundamento invocado para justificar aquela decisão política assentou em "argumentos falsos e mentiras técnicas".

João Pedro Martins garante que a Empresa Portuguesa de Defesa (Empordef) "não tinha capitais negativos nos três anos anteriores" a 2014 - o argumento jurídico correspondente ao ponto 3 do artigo 35.º do regime jurídico do setor público empresarial - invocado para a liquidar.

Ler mais

Exclusivos