Premium "Foi a melhor edição de sempre do Sol da Caparica"

Desde quinta-feira, "mais de 75 mil pessoas" passaram pelo recinto do festival, que pela primeira vez teve "lotação esgotada todos os dias", como adianta ao DN o diretor artístico do evento, António Miguel Guimarães. Para o ano há mais, promete.

Que balanço faz da edição deste ano, que foi uma das mais concorridas de sempre da história deste festival, que existe há apenas quatro anos?

Estamos todos muitos contentes, a organização, a câmara, os artistas e todos os que trabalham para conseguir realizar este festival, porque pela primeira vez conseguimos esgotar todos os dias. Os números certos ainda não estão apurados, mas sabemos que foram mais de 75 mil as pessoas que por aqui passaram, para celebrar a língua portuguesa, a música lusófona e a cultura urbana.

Atingido esse ponto, quais são agora os planos para o futuro? Crescer ainda mais?

É uma questão que para já não se coloca, essa do crescimento, porque neste momento temos a escala certa para o tipo de festival que almejamos ser. O esforço passa agora por continuar a promover a criatividade dos artistas e a estimular o surgimento de novos projetos. Essa é a grande diferença entre o Sol da Caparica e os outros festivais e creio que temos conseguido fazer passar essa mensagem. Só na edição deste ano foram 15 os espetáculos concebidos em exclusivo para o festival. A nossa maior preocupação é conseguir dar boas condições aos artistas, para poderem ser bem recebidos pelo público, como mais uma vez aconteceu neste ano.

Quais foram, na sua opinião, os melhores momentos da edição deste ano?

Essa é uma questão complicada, porque foram muitos e torna-se injusto escolher este e não aquele. Talvez o espetáculo de encerramento, no sábado à noite, a cargo dos Expensive Soul, que prepararam um concerto especial para o Sol da Caparica, com coros, secção de metais, bailarinos. Foi uma festa enorme, que fechou em grande a edição deste ano. E tenho de referir também a atuação da Sara Tavares, que contou em palco com diversos convidados e foi outro dos momentos altos do festival.

Outra aposta ganha foi a decisão de dedicar um palco em exclusivo ao hip-hop nacional, durante o segundo dia de festival...

Sim, foi um sucesso, mas do qual já estávamos à espera, devido ao atual momento de pujança que o hip-hop nacional atravessa. Mas o mais interessante desse dia foi reparar que, ao mesmo tempo que isso acontecia, o outro palco também estava cheio de público, para assistir a artistas de outras áreas musicais, numa prova de que o Sol da Caparica é um festival com espaço para todos.

É, portanto, um festival para continuar?

Essa é uma decisão que cabe à Câmara Municipal de Almada, que é o promotor do festival, mas em princípio sim, é para continuar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.