Fantasma do Jamor ainda assustou Conceição

FC Porto venceu o Belenenses no Estádio Nacional por 3-2 com um golo aos 90+6'. Azuis (que já não são) do Restelo anularam dois golos de desvantagem, uma situação que deve ter avivado a memória do técnico campeão nacional.

O FC Porto venceu neste domingo no Jamor o Belenenses por 3-2 mas teve de suar muito para conseguir os três pontos diante da equipa do Restelo e, vendo bem, não é líquido que os dragões tenham ganho a partida com inteira justiça.

O jogo não começou bem para os portistas, que viram a formação de Silas ter as melhores oportunidades, por Keita e Fredy. O Belenenses tem uma forma de jogar muito própria. O seu treinador quer ver o Belenenses a construir de trás, como uma equipa grande e disso não abdica. O FC Porto devia estar avisado, mas pareceu surpreendido. Ainda assim foi-se adaptando às circunstâncias (adversário, relvado e calor) e começou por atirar uma bola à trave por André Pereira. Quase logo a seguir o jovem Diogo Leite fez o seu primeiro golo como profissional; fugiu a Sasso e cabeceou para o fundo da baliza.


Esse golo teve o condão de fazer crescer o FC Porto, ao passo que o Belenenses esmorecia, talvez um pouco desconfiado sobre as suas reais possibilidades de obter um bom resultado.

A segunda parte iniciou-se com um tremendo disparate de Dálcio, que tinha substituído o lesionado Ljujic aos 40'. O médio atrasou a bola para Muriel mas Otávio apanhou a bola a meio caminho, ladeou o irmão do guarda-redes Alisson, do Liverpool, e marcou.

A teimosia de Silas

Aqui surgiu a (boa) teimosia de Silas. O treinador não deixou de "obrigar" a sua equipa a jogar como um grande, apesar de ter sofrido um golo devido a essa ideia de jogo. Pensava-se que o vencedor estava encontrado, mas esse lance teve o condão de acalmar o Belenenses, que conseguiu reduzir num penálti cometido por Diogo Leite - jogou a bola com o braço na área - e convertido aos 55' por Fredy.


Iniciou-se a fase mais interessante do jogo em que todos os espectadores tinham uma certeza; de que ia haver, pelo menos, mais um golo. Depois entraram em ação os guarda-redes, Muriel impediu o golo de Brahimi e Casillas susteve remates perigosos de golo feito de Licá e de Keita.

À entrada dos dez minutos finais, Fredy recebeu em profundidade uma bola, trabalhou muito bem sobre Felipe e cruzou direitinho para a cabeça de Keita. Estava feito o empate com Brahimi já no banco, depois de ter sido rendido por Hernâni.

Não custa adivinhar o que terá passado pela cabeça de Sérgio Conceição quando viu Keita fazer o empate e, assim, esbanjar dois golos de vantagem da sua equipa. A 31 de maio de 2015, há mais de três anos, na última vez em que Sérgio Conceição esteve naquele palco, o Sp. Braga vencia o Sporting por 2-0 na final da Taça de Portugal mas entre os 84' e os 90+2' o Sporting empatou - e depois ainda ganhou nas grandes penalidades.

"Há três anos, na última vez que pisou o Jamor, Sérgio Conceição desperdiçou uma vantagem de dois golos, não custa adivinhar o que passou pela cabeça do treinador quando Keita marcou"


Contudo, o fantasma de Sérgio Conceição foi atenuado por um lance aos 90+6', altura em que Carlos Xistra se decidiu pela marcação de uma grande penalidade; Herrera rematou, a bola bateu no braço de Henrique e foi ao poste. No entanto, é preciso dizer que a bola bateu no braço do jogador do Belenenses quando o mesmo se encontrava de costas. Alex Telles, na marcação, não perdoou, enganando Muriel.

O FC Porto venceu, mas teve um pouco de estrelinha do seu lado. O triunfo permite-lhe continuar na liderança do campeonato com duas vitórias em dois jogos (pode consultar a classificação aqui).

Figura

Fredy - O angolano de 28 anos fez uma exibição que vai recordar durante muito tempo. Converteu o penálti que relançou o jogo e assistiu Keita para o empate com um trabalho de classe nas barbas de Felipe, recentemente chamado à seleção do Brasil. Fez mais dois passes para golo e a defesa do FC Porto percebeu que quando a bola chegava aos pés do dianteiro tinha de ter sempre atenção redobrada, o que é um sinal de respeito.

FICHA DE JOGO

Jogo no Estádio Nacional, Oeiras.

Belenenses - FC Porto, 2-3

Ao intervalo: 0-1.

Marcadores:

0-1, Diogo Leite, 26 minutos.

0-2, Otávio, 46.

1-2, Fredy, 55 (grande penalidade).

2-2, Keita, 83.

2-3, Alex Telles, 90+6 (grande penalidade).

Belenenses: Muriel, Diogo Viana (Sagna, 70), Sasso, Gonçalo Silva, Zakarya, Lucca, Nuno Coelho, Matija Ljujic (Dalcio, 39), Fredy, Keita, Lica (Henrique Almeida, 66).
Treinador: Silas.

FC Porto: Casillas, Maxi Pereira, Felipe, Diogo Leite, Alex Teles, Herrera, Sérgio Oliveira, Brahimi (Hernâni, 81), Otávio (Oliver, 73), Aboubakar, André Pereira (Corona, 64).
Treinador: Sérgio Conceição.

Árbitro: Carlos Xistra (Castelo Branco).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Diogo Leite (54), Aboubakar (71), Felipe (89), Lucca (90+1), Henrique Almeida (90+6).

Assistência: cerca de 12 000 espectadores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.