Premium A Le Pen não se ganha assim

O público da Web Summit não vota em Le Pen. É sobretudo por isso que deixá-la lá ir ou não é fundamentalmente espetáculo sem consequência. Ao público que vota Le Pen, os oradores de luxo da cimeira não dizem nada. Esse é que é o problema, e não se resolve assim.

O eleitorado da Web Summit - a expressão é intencional - é otimista. Acredita no global, no empreendedorismo, nas energias limpas e renováveis, na mobilidade partilhada, no fim dos plásticos, na economia verde, na economia digital, no futuro em geral e nos benefícios de comer quinoa em particular. O eleitorado de Le pen está a milhas disso tudo.

Segundo uma sondagem divulgada pelo Nouvel Observateur (o L'Obs) em abril do ano passado, a caminho das últimas presidenciais francesas, Le Pen tem os seus melhores resultados entre quem "tem o sentimento de exercer uma profissão em declínio", entre quem "vive com muitas dificuldades com o rendimento mensal", entre quem "tem menos rendimentos", entre quem "pensa que os jovens viverão pior". E que não come quinoa, aposto. É a esta gente que Le Pen se dirige, com crescente sucesso.

A cena que se segue passou-se há mais de 11 anos, a caminho das presidenciais e legislativas franceses de 2007, e resume-me bem o problema que ainda temos. Como então escrevi para a Atlântico, "Marine Le Pen, (...) esperou que os restantes participantes no debate se calassem, abriu a carteira muito feminina e tirou lá de dentro dois alicates. "Este diz made in China, custou um euro. Este outro (made in France), comprei-o numa loja de bricolage, custou doze euros." Da mala ainda saíram mais uns quantos objetos semelhantes, até que a loira Le Pen disse o que se esperava: é impossível concorrermos contra estes preços. Temos de aplicar taxas alfandegárias diferentes, em função das condições socais dos países (...)"

"O que mais impressionou no pequeno espetáculo não foi o que a senhora Le Pen fez ou disse. O circo é suposto vir incluído nas atividades de gente assim. O mais impressionante foi a falta de uma resposta firme e imediata."

Passados mais de 11 anos, é por tudo isto que a vitória de Macron foi tão importante. E tão diferente.

Durante as últimas eleições francesas, Macron teve coragem de defender aquilo em que acredita: a Europa, a economia de mercado, a proteção social, o empreendedorismo e a importância das empresas. Não interessa, aqui, se a sua ideia de Europa é a preferida ou preferível, ou se Macron é um social-democrata moderno, um liberal social ou outra coisa qualquer. A questão é que Macron não se acobardou nem tentou dizer quase o mesmo, como os restantes daquele debate de há 11 anos.

O problema não é Le Pen falar ou não na Web Summit, o problema é os moderados e com fé no futuro conseguirem falar ao seu eleitorado. E convencerem-no.

Consultor em assuntos europeus

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.