Premium Mais público, mais milhões. Como Sousa valorizou o Estoril Open

A uma semana do início do torneio, o diretor da prova faz um balanço do impacto financeiro da vitória de João Sousa no ano passado, confessando que foi "um alívio" para a organização pela pressão dos sponsors.

Falando curto e grosso: o triunfo de João Sousa no Estoril Open 2018 "foi brutal" e não há palavras para quantificar, para já, o impacto da conquista do vimaranense. No entanto, há números que já ajudam a perceber o efeito positivo da vitória do melhor português de sempre. "Crescemos em tudo no ano passado e aumentámos de forma brutal o valor mediático em Portugal, de 22 para 37 milhões de euros", revelou ao DN João Zilhão, o diretor do torneio, que neste ano se joga entre 27 de abril e 5 de maio, no Clube de Ténis do Estoril.

Para Zilhão, a vitória do vimaranense "foi um momento inolvidável do desporto nacional", algo que "supera a esfera do ténis" e cujo impacto "já se vê neste ano". A começar pelos bilhetes vendidos: "A procura tem sido muito superior à do ano passado, as pessoas anteciparam-se na compra dos bilhetes e o dia em que o João deve entrar em ação já esgotou. Em 2018 tivemos três sessões esgotadas e neste ano já há oito (de 12) sem ingressos à venda."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.