Premium Aconteceu em 1940 - Churchill: "A Alemanha ou nos aniquila ou perde a guerra"

A 18 de junho de 1940, Winston Churchill fez o seu terceiro discurso em cinco semanas na Câmara dos Comuns. No dia seguinte, o DN contou que o primeiro-ministro inglês elogiou o exército francês e alertou para a batalha que se aproximava: a defesa de Inglaterra.

Em maio e junho de 1940, o primeiro-ministro inglês foi três vezes à Câmara dos Comuns falar aos deputados para explicar a situação militar em que se encontrava a Grã-Bretanha na II Guerra Mundial.

Ao primeiro, a 13 de maio, que ficou conhecido pelo título "Sangue, labuta, lágrimas e suor", seguiu-se a 4 de junho o que será mais conhecido como "Lutaremos nas praias" - foi proferido na altura da Batalha de França, que terminou com a rendição da França à Alemanha. O último discurso deste período de cinco semanas ocorreu a 18 de junho, tendo a edição do DN de 19 dedicado uma parte da primeira página ao tema remetendo a totalidade do texto na página 5.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.