Premium PT-AO. Um pré-acordo para uma pré-agenda de visita

Em setembro, o primeiro-ministro português, António Costa, será recebido em Luanda para uma visita de Estado. Há muito que o encontro com o presidente angolano, João Lourenço, era falado nos bastidores da política e almejado pelos empresários nacionais, ansiosos por ver restabelecidas, e com confiança, as relações económicas entre Portugal e Angola.

Ainda faltam dois meses para a reunião entre os decisores, agendada para 17 e 18 de setembro. O governo angolano, preparando terreno para o encontro, anunciou agora que está em fase de conclusão uma convenção para acabar com a dupla tributação entre Angola e Portugal, considerada essencial pelos empresários dos dois países, que reclamam ainda um instrumento de proteção recíproca dos investimentos há vários anos.

O anúncio foi feito em Luanda, pelo secretário de Estado para a Cooperação Internacional e Comunidades angolanas, Domingos Vieira Lopes, na abertura do fórum empresarial promovido pela Câmara de Comércio e Indústria Portugal-Angola (CCIPA). Segundo o governante angolano, esse acordo, na forma de convenção para "se evitar a dupla tributação" entre Portugal e Angola, está em fase final de elaboração, devendo estar concluído até à visita oficial a Luanda do primeiro-ministro português, António Costa, em setembro próximo. "Está em curso e praticamente concluído o acordo para se evitar a dupla tributação entre Angola e Portugal", disse, acrescentando que também o Acordo de Proteção Recíproca de Investimentos "continua em negociação", e deverá ser concluído até à visita do primeiro-ministro português, daqui a sessenta dias.

Este será um passo decisivo para as relações bilaterais e a promoção do investimento e o comércio entre os dois países, consideram políticos e empresários. O secretário de Estado da Internacionalização de Portugal, Eurico Brilhante Dias, considera ainda que a visita de António Costa a Angola representará "uma nova energia e um novo impulso" nas relações bilaterais económicas.
Depois de Domingos Vieira Lopes ter dito que o governo de Angola "reconhece os constrangimentos" e "um certo abrandamento" recente nas relações políticas, diplomáticas e económicas entre os dois países", espera-se que este seja um dos vários pontapés de saída para um jogo com fair play e muitos golos para ambas as partes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.