Premium Turismo. Região centro bate recorde de visitas e alojamento

O Centro de Portugal cresceu mais do dobro da média nacional, segundo os dados que o INE acaba de revelar, relativos a junho. O presidente da Entidade Regional de Turismo atribui o êxito à diversidade da oferta. Mas há outra explicação: mais de 2,4 milhões investidos em promoção.

Quando em março deste ano foi apresentado o novo filme promocional do Turismo Centro de Portugal, na Bolsa de Turismo de Lisboa, Pedro Machado sentiu que aquela seria (mais) uma aposta ganha: "Aquele final, com o McNamara, quando ele diz 'isto não é um jogo, é a vida real'", conquistou o público. A partir daí só podíamos esperar êxitos e prémios", diz ao DN o presidente da Entidade Regional de Turismo do Centro (reeleito há um ano para um novo mandato, 2018-2023), numa altura em que ainda saboreia a vitória dos números: a 14 de agosto, o Instituto Nacional de Estatística (INE) revelou os dados relativos ao mês de junho, e desde então o turismo não para de espalhar a boa-nova: este foi o melhor mês de junho de sempre no centro de Portugal, em que a procura da região cresceu muito acima da média nacional. Enquanto a procura turística do país aumentou 5,6%, o centro atingiu os 11,4%. Mas não é tudo. Pedro Machado não deixa de sublinhar que o Algarve se ficou pelos 3%, e que a região autónoma da Madeira registou uma quebra na procura que a atirou para números negativos.

"Isto acontece porque no centro temos tudo aquilo de que o mercado anda à procura", afirma Pedro Machado, referindo-se a essa panóplia que vai desde o património ao turismo religioso, passando pelo turismo de natureza. Ao todo, são cem municípios quem fazem parte da ERT. "Estes números são alavancados pela diversidade, disso não haja dúvidas", acrescenta o responsável, que fala numa "maior qualificação das empresas, e, embora não tenhamos um parque hoteleiro de grandes dimensões, temos alguma oferta de elevadíssima qualidade, e diversificada". Machado refere-se a casos concretos como os de Luz Houses, em Fátima, The Literary Man, em Óbidos, ou ainda o mais recente hotel de Santa Cruz, todos com "serviços diferenciadores", que têm contribuído para um processo de internacionalização do turismo. "Estamos a conseguir chegar a novos mercados, como os Estados Unidos da América ou o Brasil", sustenta Pedro Machado.

Ler mais