Santana quer abrir a Aliança a simpatizantes e ter senadores

O centro-direita agita-se em Portugal. Em 44 anos de democracia pouco ou nada mudou nesta ala da política nacional, mas Macron em França ou o Ciudadanos em Espanha inspiram novas forças por cá. Santana arranca esta semana com o seu novo partido.

Segunda-feira à tarde, dia 20 de agosto, a página estará disponível na internet. No endereço www.alianca.com.pt, Pedro Santana Lopes cria o alicerce para a constituição do novo partido. É o tiro de partida para a recolha de assinaturas de uma força que vem "unir na política e no país", diz o antigo líder do PSD ao DN.

O nome Aliança - que nos transporta para a AD Aliança Democrática, que juntou Sá Carneiro (PSD), Freitas do Amaral (CDS) e Ribeiro Telles (PPM) - foi escolhido para "evitar qualquer carga ideológica. Mas, na verdade, o novo partido tem essa carga: "Liberais, conservadores e solidários", segundo Santana.

A declaração de princípios, divulgada pelo Expresso, mostra o pendor liberal na economia e em áreas como a saúde e a educação, em que admite a concorrência entre os setores público, privado e social. A visão conservadora espelha-se mais nos costumes e no europeísmo cético, que clama por uma reforma da UE, como o próprio fundador da Aliança admite ao DN.

Santana Lopes diz que está a convidar, uma a uma, as pessoas que vão liderar as comissões instaladoras em todo o continente, regiões autónomas e comunidade emigrante. Não quer revelar nomes de quem embarcar com ele nesta aventura política. Diz que são "todos os amigos" que tinha no PSD - à exceção "dos que têm cargos", como os deputados ou dirigentes nas estruturas do partido - e muitos do CDS. No PS, "como seria de prever", só pescou duas pessoas. Mas garante que o partido terá muita gente que nunca participou na vida política ativa. "Muita gente das novas tecnologias, é curioso", diz.

A plataforma digital será o ponto de encontro dos militantes, sublinha, para que a Aliança seja mais do que o partido de Santana Lopes. Bebeu essa inspiração em forças como o Ciudadanos e o Podemos, em Espanha, ou no En Marche de Emannuel Macron, em França.

"Tive muitas pessoas a querer aderir a um partido ainda sem saber o nome..."

Os Estatutos da novo partido "estão praticamente prontos". E, à semelhança do que defende há muito sobre a modernização do sistema político - com a criação de um Senado com representação de várias regiões do país -, também na Aliança irá fazer nascer um "senado nacional". Um órgão que irá desempenhar o papel dos órgãos máximos entre congresso nos dois principais partidos portugueses, o Conselho Nacional do PSD ou a Comissão Nacional do PS. "É uma estrutura em coerência com o que defendo para o país em termos de órgãos de soberania."

Ao contrário dos outros partidos, como o PS e o PSD, não vai ser exigido o pagamento de quotas para votar nas eleições internas e fica prevista a figura do simpatizante, que no PS, por exemplo, já pode participar em eleições primárias para a liderança se os órgãos do partido assim determinarem (foi o que aconteceu no confronto entre Costa e Seguro em 2014).

E o partido vai ser financiado como? "Vamos ter um empenho muito forte para cativar o apoio financeiro dos apoiantes e militantes através de crowdfunding ", garante Santana. E mostra-se muito confiante de que vai resultar: "Se tive muitas pessoas a querer aderir a um partido ainda sem saber o nome..."

Liberais "assumem-se"

Mas o centro-direita já andava a fervilhar antes de Santana Lopes ter decidido bater com a porta ao PSD e correr em pista própria. O fim da era Passos Coelho no partido, e dos liberais que encontravam nas suas ideias algum conforto, acelerou o processo. A Iniciativa Liberal (IL) tomou a dianteira e no final do ano passado tomou a forma de partido político junto do Tribunal Constitucional.

Rodrigo Saraiva, secretário-geral da IL, admite que "na opinião publicada" já existia muita gente com uma visão liberal porque, garante, "o liberalismo está a assumir-se sem complexos em Portugal, depois de a "extrema-esquerda ter usado o neoliberalismo como um papão".
Tal como Santana faz agora, a Iniciativa Liberal assentou fundações na internet e foi através de muitos contributos por via digital, mas também em eventos, que reuniu contributos para o manifesto e programa político. "O Estado é somente um instrumento da sociedade que serve e não deve assumir qualquer poder que entre em conflito com os direitos fundamentais dos cidadãos e com as condições essenciais para uma vida responsável e criativa", lê-se no manifesto da IL.

"O liberalismo está a assumir-se sem complexos em Portugal"

Rodrigo Saraiva aplaude nascimento de novos partido no centro-direita, mas lança a primeira farpa a Santana sobre a sua visão sobre a Europa, na qual a Iniciativa Liberal "se revê": "Santana tem uma visão muito eurocética e defende valores muito tradicionais, não encaixa no perfil de um liberal." O dirigente da IL garante que nunca chegou a ser equacionado cativar o antigo líder social-democrata para o partido. "Tinha de vir num espírito muito altruísta, porque este é um partido de cidadãos..."

São 90 os membros fundadores, sem nomes sonantes, num partido liderado por Miguel Ferreira da Silva, e no momento com cerca de 300 militantes. "Vamos reescrever a história, porque a maioria das pessoas nunca teve envolvimento partidário", garante ao DN Rodrigo Saraiva.

As ideias da IL são agora difundidas na página na internet https://iniciativaliberal.pt/, mas "também temos de estar na rua", diz o dirigente. Até porque o primeiro combate eleitoral é já ali ao virar da esquina, nas europeias.

Democracia 21 e a "revolução à direita"

A Democracia 21, movimento liderado por Sofia Afonso Ferreira, ainda se aproximou de Santana Lopes, esperou que ex-líder do PSD se decidisse, e acaba por seguir um caminho paralelo. A ex-militante do PSD - que foi uma das apoiantes de Passos Coelho, como recorda ao DN - até aplaude a iniciativa de Santana porque, diz, "é preciso uma geringonça de direita" para combater a da esquerda.

A Democracia 21, assumidamente "liberal à direita", está no processo de recolha de assinaturas para se constituir como partido. Eram já mais de cinco mil as recolhidas, entre as 7500 necessárias, o que deve permitir concluir o processo no final de setembro. Sofia, liberal na economia e nos costumes, garante que "está a haver uma revolução na direita".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".