"É passado o tempo em que o governo mentia ao povo"

Na edição deste dia, quatro meses depois do 25 de Abril, o DN dava grande destaque ao comunicado do primeiro-ministro ao país

"O saneamento da vida económica da nação exige o aumento dos preços de certos produtos e a reanimação e expansão da atividade produtiva", titulava o DN na primeira página de 19 de agosto de 1974, um excerto da comunicação do primeiro-ministro, Vasco Gonçalves, ao país. O destaque resumia a mensagem que importava passar: "É passado o tempo em que o governo mentia ao povo"

A ideia era explicada conforme o governante a transmitira aos portugueses através da RTP. E complementada com uma lista dos preços que iriam mudar, que incluía o pão, os combustíveis e o açúcar. "Os preços de outros combustíveis, dos adubos e das rações para animais são também aproximados da realidade económica", acrescentava-se ainda, relatando que, em nota, o ministério da Economia detalhara todas as mudanças.

A notícia ocupava mais de meia página, sendo ainda destacadas outras ideias importantes: "O governo considera o desenvolvimento da economia como tarefa prioritária de todos os portugueses"; "O aumento dos vencimentos do funcionalismo custará a Estado 5,6 milhões de contos or ano"; "Nas vésperas do 25 de Abril a economia portuguesa estava à beira do caos"...

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.