"É passado o tempo em que o governo mentia ao povo"

Na edição deste dia, quatro meses depois do 25 de Abril, o DN dava grande destaque ao comunicado do primeiro-ministro ao país

"O saneamento da vida económica da nação exige o aumento dos preços de certos produtos e a reanimação e expansão da atividade produtiva", titulava o DN na primeira página de 19 de agosto de 1974, um excerto da comunicação do primeiro-ministro, Vasco Gonçalves, ao país. O destaque resumia a mensagem que importava passar: "É passado o tempo em que o governo mentia ao povo"

A ideia era explicada conforme o governante a transmitira aos portugueses através da RTP. E complementada com uma lista dos preços que iriam mudar, que incluía o pão, os combustíveis e o açúcar. "Os preços de outros combustíveis, dos adubos e das rações para animais são também aproximados da realidade económica", acrescentava-se ainda, relatando que, em nota, o ministério da Economia detalhara todas as mudanças.

A notícia ocupava mais de meia página, sendo ainda destacadas outras ideias importantes: "O governo considera o desenvolvimento da economia como tarefa prioritária de todos os portugueses"; "O aumento dos vencimentos do funcionalismo custará a Estado 5,6 milhões de contos or ano"; "Nas vésperas do 25 de Abril a economia portuguesa estava à beira do caos"...

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.