Premium A Guerra dos Tronos. Quem ganha a batalha final: os livros ou a série?

Com o último episódio da série a ser transmitido na madrugada de segunda-feira, os fãs ficam à espera que George R. R. Martin acabe os livros que faltam à saga. E este é um caso em que os fãs têm dificuldade em escolher se preferem os livros ou a série.

Estávamos em 2006 - cinco anos antes da primeira temporada de A Guerra dos Tronos - quando Nuno Braga viu pela primeira vez um dos livros da saga escrita por George R. R. Martin. Aluno de Erasmus na Eslovénia ficou sem livros para ler. O seu colega de casa esloveno, que tinha uma vasta biblioteca de livros de fantástico, entregou-lhe alguns dos seus livros preferidos para ler. Assim começou a ler a saga em inglês, gostou, mas acabou por não ler mais nenhum dos volumes. A Guerra dos Tronos teve de esperar pelo regresso.

"Quando voltei para Portugal fui atrás da saga e descobri que o site da editora Saída de Emergência tinha sempre descontos e se comprássemos três um era de borla. Assim, fui ler o primeiro em português que já não me lembrava. Começava à meia-noite e às duas já tinha lido, fiquei viciado e fui comprando, até haver livros. Tenho os oito referentes aos quatro em inglês", recorda o fã de 34 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O populismo identitário

O tema da coincidência entre Nação-Estado foi intencionalmente considerado um princípio da organização mundial quando o presidente Wilson conseguiu a sua inclusão no estatuto da Sociedade das Nações (SdN), no fim da guerra de 1914-1918, organismo em que depois os EUA decidiram não entrar. Acontece que nação é um termo que, exprimindo de regra, em primeiro lugar, uma definição cultural (costumes, tradições, valores), tem vocação para possuir um território e uma soberania, mas o princípio da SdN não impediu a existência, hoje extinta, da unidade checoslovaca, nem que, atualmente, o Brexit advirta que um eventual problema futuro para o Reino Unido está no facto de não ser um Estado-Nação, e identidades políticas, provavelmente duas ou mais nações, suas componentes, são europeístas.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.