Premium Trump dá o tiro de partida para 2020. E Joe Biden deve ser o alvo

Há quatro anos desceu umas escadas rolantes, começou por dizer uma mentira e atirou-se aos mexicanos. Foi o início de uma campanha no campo republicano que acabou de forma surpreendente. Hoje vai falar para milhares, em Orlando.

No dia 16 de junho de 2015, o empresário e estrela de reality TV Donald Trump desceu as escadas rolantes douradas da Trump Tower, em Nova Iorque, e, perante dezenas de pessoas, algumas das quais pagas, exclamou: "Que grupo de pessoas! Milhares." Depois fez um discurso no qual, além de visar Barack Obama, declarou o México e a China como inimigos dos EUA. O primeiro por "enviarem pessoas que têm muitos problemas" e que levam "drogas" e "crime", além de serem "violadores", pelo que iria pagar pelo "grande muro" que iria construir; e Pequim por tirar os empregos aos norte-americanos e por ter uma liderança "muito mais inteligente" do que a Casa Branca.

"Os nossos inimigos estão cada vez mais fortes a cada dia que passa, e os EUA, enquanto país, estão cada vez mais fracos. Quão estúpidos são os nossos dirigentes, quão estúpidos são os nossos políticos ao deixar que isto aconteça? O nosso presidente não tem a menor ideia", disse então.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.